João Pessoa 25/09/2018 22:58Hs

Início » Destaque » 2017: Crise carcerária, violência e tragédia em escolas

2017: Crise carcerária, violência e tragédia em escolas

Relembre fatos que foram destaque em 2017; violência, naufrágio e incêndio em creche chocaram o país

2017 foi o ano que começou com uma crise no sistema carcerário brasileiro, com dois massacres em unidades prisionais em menos de uma semana. Um cenário que perpetuou em vários estados do País ao longo do ano. Crise carcerária não só nos embates entre facções, mas também em grandeza de números. O Brasil fecha o ano com a terceira maior população carcerária do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e China, e à frente da Rússia.

Também foi um ano das tragédias em escolas públicas e privadas, as quais jovens inocentes morreram vítimas de comportamentos doentios e perversos, supostamente provocados por vingança e bullying. Um ano de violência em grandes capitais do País, onde a criminalidade imperou e as Forças Armadas tomaram as ruas de estados como Rio de Janeiro, Espírito Santo e Rio Grande do Norte. No Rio, a crise endêmica ganhou mais um status, a de maior morte de policiais militares do País. Ao menos 131 perderam suas vidas.

Mas, também foi um ano de avanços e mostrou a percepção positiva de brasileiros a cerca de temas polêmicos como o aborto. Em pesquisa, 60% dos brasileiros demonstraram aceitar o aborto em caso de estupro. O Congresso também contribuiu ao endurecer as penas para quem dirigir alcoolizado. E, finalmente, na educação com a homologação da Base Curricular do ensino para escolas públicas e privadas.

JANEIRO

A violência no sistema prisional
O ano começou bem mal. Em 1.° de janeiro de 2017, 56 presos foram mortos após um tumulto ocorrido no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) em Manaus, no Amazonas, na região Norte do País. Duas quadrilhas rivais de tráfico de drogas entraram em confronto naquele que foi considerado o massacre mais violento da história do sistema prisional brasileiro desde a chacina do Carandiru (1992).

FEVEREIRO

A crise na segurança pública
Fevereiro foi marcado pelo acirramento da crise da segurança pública no Espírito Santo devido à paralisação da Polícia Militar por reivindicação da correção da remuneração dos policiais militares desde 2010. Mulheres e familiares ocuparam os quartéis. Um saldo violento de mortes: pelo menos 199 pessoas

Manifestantes contrários à greve da PM protestam em frente ao Quartel do Comando Geral da PM no Espírito SantoManifestantes contrários à greve da PM protestam em frente ao Quartel do Comando Geral da PM no Espírito Santo – Foto: Gilson Borba/UOL/Folhapress

ABRIL

Um assalto cinematográfico
Uma ação criminosa praticada por bandidos brasileiros no megassalto na Cidade Del Este, cidade fronteira com o Brasil protagonizou cenas cinematográficas. Uma quadrilha invadiu a sede da transportadora de valores Prosegur e fugiu para uma cidade vizinha levando cerca de US$ 40 milhões (o que equivale a cerca de R$ 120 milhões). O assalto estaria sob comando do PCC.

Ladrões fortemente armados invadiram a sede da transportadora de valores no ParaguaiLadrões fortemente armados invadiram a sede da transportadora de valores no Paraguai – Foto: Kiko Sierich/Futura Press/Folhapress

JUNHO

4 – Refugiados aportam no Brasil
Eles são milhares e chegam desde 2016 ao País fugindo de conflitos e crises, o que resultou no crescimento de solicitações de refúgio de 2.868% no prazo de cinco anos, de acordo com dados do Conare. Os sírios formam o maior grupo de refugiados no País, com 2.298 pessoas em situação legal, seguidos dos angolanos, colombianos , congoleses e palestinos. Porém, este ano, os venezuelanos também encontraram refúgio no Norte do País.

AGOSTO

A violência de um aluno
Uma professora foi agredida por um aluno de 15 anos dentro de um colégio municipal na cidade de Indaial (SC), a 170 quilômetros de Florianópolis. Marcia Friggi professora de Língua Portuguesa e Literatura no Centro de Educação de Jovens e Adultos (CEJA), publicou fotos de seu rosto ensanguentado no Facebook após as agressões e se disse “dilacerada”. A denúncia viralizou nas redes sociais e expõe outra face da violência nas escolas.A professora Márcia Friggi foi agredida por um aluno de 15 anos em Indaial (SC)

A professora Márcia Friggi foi agredida por um aluno de 15 anos em Indaial (SC) – Foto: Lucas Correia/ Agência RBS/Folhapress

Travessia mortal
Era para ser apenas mais uma travessia entre o Continente e a Ilha de Itaparica, na Bahia. Mas, em 24 de agosto deste ano, o tradicional trajeto feito por turistas e moradores locais se tornaria o caminho do mais trágico dos acontecimentos marítimos da Bahia nos últimos dez anos, de acordo com dados da Marinha do Brasil. Foram 19 mortos e mais de 80 feridos no naufrágio da lancha Cavalo Marinho.

 

Lancha vira e deixa pelo menos cinco pessoas mortas e 21 feridasLancha vira e deixa pelo menos cinco pessoas mortas e 21 feridas – Foto: Aristeu Chagas/Coofiav/Folhapress

O meio ambiente agradeceu
Depois de provocar críticas de ambientalistas, artistas e de outros setores da sociedade, o Governo Federal voltou atrás e revogou a extinção da Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca). A área, com mais de 4 milhões de hectares, fica entre os estados do Amapá e do Pará e tem tamanho equivalente ao da Dinamarca.

 

Parque Nacional Juruena - ICMBioParque Nacional Juruena – ICMBio – Foto: Picasa

OUTUBRO

As tragédias nas escolas
Foram duas ações violentas em escolas brasileiras, em outubro. Um segurança colocou fogo em uma creche municipal de Janaúba, Minas Gerais. Damião Soares jogou álcool em crianças e nele mesmo e, em seguida, ateou fogo. Oito crianças e uma professora morreram. E, numa escola privada de Goiânia, um estudante matou dois colegas a tiros e feriu quatro. Adolescente que sofria bullying usou arma do pai, um policial militar, para cometer atentado.

 

Tragédias em duas escolas: Damião Soares ateou fogo em escola (esquerda) e, em escola privada, estudante matou dois colegas a tiros e feriu quatro (direita)Tragédias em duas escolas: Damião Soares ateou fogo em escola (esquerda) e, em escola privada, estudante matou dois colegas a tiros e feriu quatro (direita) – Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

DEZEMBRO

9 – A superlotação nos presídios
população carcerária do Brasil dobrou entre 2005 e 2016 e a taxa de ocupação das prisões chegou a 197%, com dois presos – e até quatro em certos estados – por vaga disponível. Números mais recentes apontam para uma população de 726.712 presos para uma capacidade de 368.049. Com isto, o Brasil tem a terceira maior população carcerária do mundo, atrás de Estados Unidos e China, e à frente da Rússia.

Mutirão do Conselho Nacional de Justiça passa por Águas Lindas (GO)Mutirão do Conselho Nacional de Justiça passa por Águas Lindas (GO) – Foto: Antonio Cruz/ABr

10 – Rio Grande do Norte: Estado sem segurança
Uma onda de violência acometeu a capital potiguar desde o dia 19 de dezembro. Policiais militares, civis e bombeiros em greve deixaram a cidade refém de criminosos. Sem policiamento nas ruas, criminosos aproveitaram para realizar uma série de arrombamentos no comércio. Os trabalhadores da segurança reivindicam os salários atrasados, 13º salário e melhores condições de trabalho. O Governo do Rio Grande do Norte anunciou que sem ajuda do Governo Federal não terá condições de arcar com os compromissos.

11 – Educação e leis mais duras
Governo Federal conseguiu concluir finalmente a Base Nacional Curricular. Mudanças a serem implementadas nos ensinos de escolas públicas e privadas. A inclusão da obrigatoriedade do ensino religioso foi polêmica e ainda pode gerar conflitos. Outra boa mudança em nossas lei foi o endurecimento das regras para quem dirigir alcoolizado. Pena de reclusão passa a ser de 5 a 8 anos, além de ter a habilitação suspensa.

Mudaram as regras para o Ensino MédioMudaram as regras para o Ensino Médio – Foto: Hora do Enem/Divulgação

Folhapress