João Pessoa 18/06/2018 23:16Hs

Início » Brasil » DataPoder360: sem Russomanno, governo de SP fica entre Doria, Serra e Skaf

DataPoder360: sem Russomanno, governo de SP fica entre Doria, Serra e Skaf

Nomes do PSDB têm de 20% a 21% - Chefe da Fiesp registra 16% a 19% - Se disputar, Russomanno tem 26% - Paulistas sem candidato: até 52%

Em cenários sem Russomanno, os tucanos Serra e Doria empatam na margem de erro com o peemedebista Paulo Skaf

A corrida pelo Palácio dos Bandeirantes tem 2 cenários principais neste momento, a cerca de 10 meses da disputa: com ou sem o deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP).

Quando o empresário que fez carreira como apresentador de TV e ativista dos direitos do consumidor está no páreo, ele lidera com folga o atual grid de largada. Nessa hipótese, a taxa de votos indefinidos é de 37%.

Se Russomanno desistir da disputa, o cenário embola e 3 nomes se sobressaem: os tucanos João Doria e José Serra e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf. Mas ocorre também 1 fenômeno: os votos ainda sem definição sobem para até 52%.

Esses são os principais resultados de pesquisa DataPoder360 realizada de 8 a 12 de dezembro de 2017 em 58 cidades paulistas e com 2.020 entrevistas e margem de erro de 2,7 pontos percentuais.

Receba a newsletter do Poder360

Poder360 falou pessoalmente com Russomanno em 5 de dezembro. Perguntou quais eram seus planos para o ano que vem. O deputado disse que ainda não se decidiu de fato a respeito de como participará das eleições de 2018. “Não descarto nada. Ser candidato a governador ou a deputado federal para ajudar o partido a fazer uma grande bancada na Câmara“.

Russomanno, 61 anos, já tentou várias vezes ser eleito para 1 cargo executivo. Em 2000, quis ser prefeito de Santo André (SP) e perdeu para o PT. Tentou a Prefeitura de São Paulo em 2012 e 2016, mas foi derrotado nas duas disputas. O deputado quase sempre sai na frente nas pesquisas. Depois, acaba sendo desidratado ao longo do processo.

O PRB, seu partido, acha mais importante que Russomanno siga como candidato a deputado federal e ajude a puxar votos para que a sigla aumente sua bancada, hoje com 22 cadeiras.

Por conta desse cenário incerto, o DataPoder360 testou cenários sem Russomanno. Nenhum instituto de pesquisa divulgou esse tipo de simulação publicamente.

Poder360 sabe que levantamentos de intenção de voto a esta altura não têm a menor condição de sinalizar quais podem ser os resultados, mas apenas de perscrutar o pensamento atual do eleitor. Por essa razão, o estudo publicado neste post também considerou poucos candidatos.

“Não faz sentido colocar nomes completamente desconhecidos na lista de pré-candidatos agora porque isso apenas irrita e confunde o entrevistado”, diz o cientista político Rodolfo Costa Pinto, que coordena as pesquisas do DataPoder360.

A rigor, neste momento, há 6 nomes mais competitivos na disputa. Ei-los, em ordem alfabética: Celso Russomanno (PRB), João Doria (PSDB), José Serra (PSDB), Luiz Marinho (PT), Márcio França (PSB) e Paulo Skaf (PMDB).

“O importante agora é testar esses nomes entre si para que se possa ter uma ideia do potencial de votos de cada 1. O eleitor tende a comparar as qualidades e os defeitos entre esses nomes principais. Mais adiante, claro, devem ser incluídos nas pesquisas os demais postulantes, desde que, de fato, venham a ser candidatos”, explica Rodolfo Costa Pinto.

Entre os possíveis candidatos de menor densidade eleitoral ao governo de São Paulo não testados pelo DataPoder360 estão Alexandre Zeitune (Rede), Floriano Pesaro (PSDB), Gabriel Chalita (PDT), Gilberto Kassab (PSD), José Aníbal (PSDB), Lisete Arelaro (PSOL), Luiz Felipe d’Avila (PSDB), Rogerio Chequer (Partido Novo) e Rodrigo Garcia (DEM).

CENÁRIOS SEM RUSSOMANNO

Nos 2 cenários testados sem Celso Russomanno nota-se 2 aspectos principais:

  • “não voto” – vai de 50% a 52% a taxa de votos brancos, nulos, indecisos ou de pessoas que não respondem ou dizem não saber em quem votar; e
  • 3 favoritos – há uma equidade entre os percentuais dos tucanos José Serra, 75 anos, e João Doria, 60 anos (ele fez aniversário ontem, 16.dez): eles têm 20% e 21%, respectivamente. E há também o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, 62 anos, filiado ao PMDB, que fica numericamente embolado com os 2 tucanos, dentro da margem de erro do levantamento de 2,7 pontos percentuais. Skaf pontua de 16% a 19%.

Como se observa nos 2 quadros acima, o desempenho neste momento do pré-candidato do PT ao governo de São Paulo, Luiz Marinho, 58 anos, ex-prefeito de São Bernardo do Campo, é modesto: ele tem 4% ou 5%.

O atual vice-governador de São Paulo, Márcio França (PSB), 54 anos, vai assumir o Palácio dos Bandeirantes em abril, pois o titular, Geraldo Alckmin, deixará a cadeira para ser candidato a presidente. No comando do Bandeirantes, França será candidato à reeleição. Até agora, entretanto, pontua baixo no DataPoder360: de 5% a 7%.

Esses cenários tendem a mudar quando a campanha engrenar de fato em 2018. O PT sempre tem potencial para ficar acima de 10% dos votos, mesmo com a alta rejeição à legenda entre paulistas.

No caso de Márcio França, político experiente, sua densidade eleitoral pode aumentar 1 pouco ao longo da campanha. A força de ser governador do Estado durante a disputa sempre rende alguns votos extras.

Paulo Skaf também já disputou algumas eleições, sem sucesso. Agora, tem feito uma campanha tácita ao protagonizar diversos comerciais de ações promovidas pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. Sua visibilidade pública tem aumentado de maneira constante.

No caso dos tucanos, há neste momento 1 acerto institucional de bastidores para que José Serra seja o candidato a governador. Há até 1 nome proposto para ser o postulante a vice: Gilberto Kassab, do PSD, que tem estreita ligação política com Serra.

Mas há João Doria. O prefeito de São Paulo ensaiou ser candidato a presidente. Desistiu quando percebeu que o establishment tucano preferiria Geraldo Alckmin. Agora, Doria sinaliza que pode postular o Palácio dos Bandeirantes. Será uma disputa interna dura no partido.

CENÁRIO COM RUSSOMANNO

Quando o deputado federal Celso Russomanno está entre os pré-candidatos, lidera de maneira isolada. Tem 26% das intenções de voto.

O 2º lugar é ocupado por 2 nomes empatados na margem de erro: Serra, com 16%, e Skaf, que pontua 14%. Márcio França e Luiz Marinho têm desempenhos iguais: 3% cada 1.

O percentual de eleitores indecisos e os que votam em branco, nulo ou dizem não saber ou não respondem é de 37%, uma taxa bem menor do que quando Russomanno não está na lista de candidatos.

DataPoder360 desta vez não testou 1 cenário com Russomanno e João Doria como candidato ao Bandeirantes pelo PSDB.

CHANCES DE 1 OUTSIDER

Com até 52% dos eleitores paulistas sem candidato definido, quais seriam as chances de 1 nome novo emplacar na disputa de 2018 pelo Palácio dos Bandeirantes? É difícil responder a essa pergunta de maneira científica. Mas é certo que em dezembro do ano que antecede a eleição já é 1 pouco tarde para fazer vingar 1 outsider.

O sistema político-partidário-eleitoral brasileiro é altamente infenso a nomes de fora do establishment. Diferentemente de 1989, quando 1 candidato a presidente com poucas chances se viabilizou no início daquele ano entrando nas propagandas partidárias de outras siglas (Fernando Collor de Mello), hoje isso é proibido por lei.

O mais plausível é que os partidos maiores tentem viabilizar algum nome que possa incorporar o discurso do “centro” e do “novo”. Foi assim em 2016, com João Doria sendo o nome vitorioso do PSDB para prefeito de São Paulo. Ele não era novo na política, mas fez o discurso apropriado no momento certo, dizendo que era alguém de fora do sistema. O eleitorado comprou essa narrativa.

Em certa medida e guardadas as devidas proporções, é o mesmo que tenta fazer neste momento o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, apresentando-se como alguém preocupado com a gestão e não com a política.

POTENCIAL DE VOTO

Durante as entrevistas, o DataPoder360 testou individualmente 6 nomes de pré-candidatos ao governo de São Paulo. Quis saber se as pessoas votariam com certeza nessas pessoas, se poderiam votar ou se não votariam de jeito nenhum

Os 2 mais rejeitados são Luiz Marinho (70%) e José Serra (61%). Essa taxa alta sempre pode ser revertida. Mas o candidato que dá a largada com tanta desaprovação tem mais dificuldade para avançar durante a campanha.

Todos os demais candidatos têm rejeição variando de 48% a 54%. Como a margem de erro da pesquisa é de 2,7 pontos percentuais, é lícito dizer que a maioria dos nomes é repelida por metade do eleitorado.

O maior potencial cristalizado de voto (“votaria com certeza”) é o de Russomanno, que registrou 16%. Além disso, outros 21% dizem que poderiam votar no deputado do PRB. Ou seja, ele tem 1 potencial de voto de 37%.

Em seguida, vêm embolados 3 nomes: Serra e Doria (11% cada 1 de “votaria com certeza”) e Skaf (10%).

Uma curiosidade emerge do quadro de potencial de voto de cada pré-candidato ao Bandeirantes. O prefeito de São Paulo e o presidente da Fiesp têm percentuais praticamente idênticos de “votaria com certeza” e “poderia votar”. A rejeição a ambos também é similar.

Essa paridade de percentuais indica que tanto Doria como Skaf podem trabalhar para encarnar o “centro” e/ou o “novo” na disputa pelo governo paulista em 2018. Com 1 diferença grande: o presidente da Fiesp domina seu partido no Estado (o PMDB) e será candidato. Já Doria terá de enfrentar uma guerra interna no PSDB para tirar José Serra da frente –o que é possível, mas não é fácil.

REJEIÇÃO AO PT E AO PSDB

DataPoder360 perguntou aos eleitores paulistas como reagem a votar num candidato do PT ou do PSDB para governar o Estado.

Apesar de os tucanos comandarem o Palácio dos Bandeirantes há duas décadas, a rejeição ao partido é grande e muito parecida à do PT. Há 54% dos paulistas que dizem não votar “de jeito nenhum” em 1 candidato do PSDB. E 57% que se expressam da mesma forma sobre o PT.

GOVERNO ALCKMIN

Segundo o DataPoder360, os paulistas não andam muito felizes com o atual governo. Para 44%, a “vida em São Paulo nos últimos meses está cada vez pior”. Apenas 8% dizem que está melhor. Para 31%, está igual.

Há 29% dos paulistas que acham o governo de Geraldo Alckmin “bom” ou “ótimo”. Mas 30% enxergam o comando do tucano “ruim” ou “péssimo”.

ELEIÇÃO PRESIDENCIAL

Talvez por não ser tão bem avaliado, Alckmin não tenha 1 desempenho vistoso em seu próprio Estado, pelo menos neste momento, na disputa presidencial.

DataPoder360 testou 1 cenário para o Palácio do Planalto entre os eleitores paulistas. Alckmin registra 24% de intenção de votos em seu Estado natal, mas está embolado na margem de erro com Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que tem 21%. Logo em seguida vem o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), com 19%.

Marina Silva (Rede) tem 7% em São Paulo. Ciro Gomes (PDT) marca 4%.

Esses números, sempre é bom ressaltar, são o retrato do atual momento, quando a campanha ainda não está nas ruas. Mas é notável que o governador Geraldo Alckmin, na largada, não consiga ter uma vantagem mais elástica sobre seus adversários no seu próprio terreno.

No plano nacional, Alckmin tem 1 desempenho ainda bem mais modesto, pontuando de 4% a 9%, segundo o DataPoder360.

TEMER EM SP: 79% DE REJEIÇÃO

O presidente da República é paulista. Tem 77 anos e nasceu em Tietê (150 km a noroeste de São Paulo) em 23 de setembro de 1940. Sua rejeição entre os moradores do Estado é altíssima: 79% acham a administração federal “ruim” ou “péssima”. Essa taxa é maior do que a sua média nacional, de 73%.

Michel Temer só é aprovado (respostas “bom” ou “ótimo”) por 6% entre os paulistas. Se esse quadro persistir, a capacidade de influir no processo eleitoral de 2018 será limitada para o presidente da República.

CONHEÇA O DATAPODER360

A operação jornalística que comanda o Drive e o portal de notícias Poder360 lançou em abril de 2017 uma divisão própria de pesquisas: o DataPoder360.

As sondagens nacionais são periódicas. O objetivo é estudar temas de interesse político, econômico e social. Tudo com a precisão, seriedade e credibilidade do Poder360.

Leia a íntegra das pesquisas anteriores do DataPoder360: abrilmaiojunhojulhoagostosetembrooutubro e novembro.