João Pessoa 16/08/2018 04:21Hs

Início » Brasil » Dilma Rousseff: “Por que vamos ter um plano B a Lula? Para gáudio dos golpistas?”

Dilma Rousseff: “Por que vamos ter um plano B a Lula? Para gáudio dos golpistas?”

Ex-presidenta defende que o julgamento do petista é parte de um "processo de golpe", que começou com seu impeachment

Dilma Rousseff em entrevista na última quarta-feira. ANDRÉ FELTES

A ex-presidenta Dilma Rousseff, geralmente pouco afeita a entrevistas, preparou nesta última semana  uma extensa sequência de encontros com a imprensa. O objetivo: defender perante a opinião pública o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silvacondenado em primeira instância a nove anos e meio por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. E, com isso, reafirmar que há um golpe em curso no país. O recurso de Lula será julgado na próxima quarta-feira e, se for confirmada a sentença do juiz Sérgio Moro, que considerou que ele recebeu da construtora OAS um tríplex com reforma personalizada pago com dinheiro de uma conta alimentada por desvios da Petrobras, ele poderá ficar de fora da corrida eleitoral.

Nesta narrativa, o golpe é um processo com três atos, que se iniciou com o impeachment dela, há quase 17 meses, e pode terminar com o afastamento de Lula das eleições. “Contra [o senador] Aécio Neves há provas cabais: uma fala gravada e uma mala de dinheiro. [Contra] o presidente ilegítimo [Michel] Temer há uma gravação e imagens de um assessor levando uma mala [de dinheiro] para baixo e para cima. E eles estão todos tranquilos exercendo seus cargos. O presidente Lula não tem conta na Suíça, tem essa história absurda do tríplex, e está condenado a mais de nove anos”, justifica. E argumenta que o triplex nunca pertenceu a Lula e que a acusação não prova quais benefícios a OAS teria recebido para presentear o ex-presidente.

O prédio onde ela recebe o EL PAÍS é simples. Seu apartamento de classe média ocupa os dois últimos andares de um baixo e discreto edifício de Porto Alegre. A rua é estreita e com aspecto de mal cuidada. Há um interfone que chama diretamente nos apartamentos e nenhum segurança visível nos arredores. Apenas um funcionário solitário aparece para acompanhar a reportagem quando ela avisa que procura Dilma Rousseff. No corredor que dá acesso a sua porta há outras três, dos vizinhos. A entrada é por uma sala de estar apertada, onde uma escada no formato de caracol leva à parte superior. Lá, grandes armários estão abarrotados de livros cuidadosamente arrumados (Gilberto Freyre, Thomas Piketty, Tolstoi, Paulo Leminski, entre outros). Num canto, linhas coloridas denunciam o bordado em curso numa almofada. Uma grande janela se interliga a um pátio, onde há algumas plantas. O tempo ali parece passar devagar diante de preocupações cotidianas. “Alguém regou as plantas?”, pergunta ela. Fica aliviada ao ser lembrada de que havia chovido.

“A base que fez o impeachment é a base que dá a impunidade ao atual presidente”

o impaciente com as funções da entrevista (“agora chega”, ordena ao fotógrafo após poucos cliques), Brasília já parece arrancada dela. Ainda assim, percorre de volta o caminho tortuoso que, em sua visão, ajuda a explicar seu impeachment: uma mistura de crise política, orquestrada pelo ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e falta de apoio do mercado, que rompeu com o Governo por conta da redução da taxa de juros, que prejudicou os lucros do setor  – ela já reconheceu após a sua saída, entretanto, que sua política econômica de desoneração de tributos para as indústrias se prolongou, impactou as contas públicas e não beneficiou a economia. Em 2015, as taxas de desemprego e a inflação subiram.

“O PMDB era o cerne que dava as condições de governabilidade no país. No Governo Lula para o meu ele passa a ter uma hegemonia de direita, que foi construída pelo senhor deputado Eduardo Cunha”, diz ela, em referência ao ex-presidente da Câmara, hoje condenado e preso nas investigações da Lava Jato, e líder de um bloco parlamentar suprapartidário que ganhou importância política especialmente em 2014, quando Cunha ajudou a eleger um número expressivo de deputados. “O presidencialismo de coalizão diante disso tinha uma opção clara: se ajoelhar e aceitar os termos de Cunha, que são políticas ultraconservadoras no costume e ultraliberais na economia.”

“Eduardo Cunha é a mente por trás deste processo. É quem o viabiliza do ponto de vista legislativo e destrói a aliança que tinha sustentado as coalizões anteriores ao montar seu grupo político. E em 2015 ele se candidatou à presidente da Câmara e ganhou. Nós rompemos com ele porque percebemos o que ele significava. E isso explica porque o presidente Temer, mesmo duas vezes denunciado, não teve sua investigação autorizada pelo Congresso. A base que Cunha construiu é que dá a vitória a eles. A base que fez o impeachment é a base que dá a impunidade ao atual presidente.”

Ao ser questionada se achava que Temer havia arquitetado um plano contra ela, se esquiva. “Eu não acho que isso é relevante. Acho que isso é fofoca, querida. O problema é que ele se aproveitou do fato. Pra mim, pouco interessa se ele participou de uma conspiração. Não é ele que arquiteta. Quem concebeu isso foi o Eduardo Cunha. E talvez o Gato Angorá (ri, em referência ao nome apontado ao ministro Moreira Franco na planilha de propina da Odebrecht, segundo a Lava Jato). Em seguida explica a escolha dele como vice. “O Temer entrou nessa aliança porque representava o PMDB. O PMDB não nos garantia votos. Ele nos garantia a governabilidade”, diz.

“Se Lula for condenado, vamos todas as mobilizações de que somos capazes”

Para a ex-presidenta, sua saída do cargo – após ser julgada pelo Congresso Nacional e considerada culpada por ter feito decretos que impactavam na meta fiscal primária sem autorização parlamentar e por fazer uma operação de crédito irregular – está conectada com o julgamento de Lula.

“Eu acredito que o golpe que houve no Brasil em 2016 não é um ato isolado. É um processo. O impeachment é o ato inaugural. O segundo momento é a adoção de todo esse programa de Governo”, ressalta ela, elencando medidas de seu sucessor, como a lei que implementou o teto de gastos públicos e a aprovação da reforma Trabalhista. “Agora, para aprovar a pauta que falta, como a reforma da Previdência, é preciso o terceiro ato. Se tira a maior ameaça deste projeto do caminho: o presidente Lula. Ele hoje tem quase 40% das intenções de votos. Caiu a rejeição construída ao longo do processo de impeachment e das grandes manifestações. Se ele não for tirado do pleito, ganha.”

Ela diz acreditar que a sentença contra Lula possa ser revertida na segunda instância. “Mas se ele for condenado, vamos usar todos os instrumentos jurídicos que estão à nossa disposição. Vamos fazer todas as mobilizações de que somos capazes. Mas não acho que isso se traduzirá em atos agressivos e violentos”, acredita ela, rechaçando a preocupação que circula pelo país de uma revolta pelo resultado. Mas o fato é que a saída de Lula traz ao PT uma preocupação adicional à perda de seu principal líder político e ao desgaste para a já abalada imagem do partido, com diversos dirigentes condenados por corrupção: a ausência de um nome novo forte para substituí-lo na disputa.

“Em qualquer país do mundo, as lideranças surgem num processo histórico. São formadas, passam a ter experiência. Acho que existe uma manipulação nesta história do novo. Ninguém surge do nada”, diz ela, ao ser questionada do porquê de a esquerda não ter conseguido produzir alternativas a Lula. “Essa história do Donald Trump e, no Brasil, do [apresentador Luciano] Huck é que é o absurdo da análise política”, ressalta ela. “Para que querem que nós tenhamos um plano B? Se tivermos um plano B estamos fazendo o trabalho que eles querem por eles. Por que vamos tirar o Lula do pleito por uma acusação da qual achamos que ele é inocente? Para ganhar a eleição? Que eleição que importa alienar um líder do tamanho do Lula por uma acusação? Que covardia é essa? Para gáudio dos golpistas, dessa direita e dessa oligarquia atrasada do país?”, prossegue. “Os que querem o plano B são os mesmos que queriam que eu renunciasse. E por que eles queriam isso? Por que tinham alguma consideração por mim? Não! Porque eu impediria um striptease político de um golpe claramente feito.”

“Se tivermos um plano B estamos fazendo o trabalho que eles querem por eles”

Ela minimiza o isolamento político de Lula, caso consiga disputar uma eleição. Acredita que será preciso fazer um “grande pacto com todo mundo”, sem explicar muito bem a quem se refere. E também acredita que o mercado poderá se reconciliar com o ex-presidente. “Eu acho que ninguém quer desaparecer da face da terra. O mercado acha que continuando do jeito que está sobrevive neste país? Você acha que o mercado não tem um princípio de realidade para ver que se tem alguém que pode reconstruir o país [é o Lula]… O Lula é um negociador. Não é um radical.”

El País