João Pessoa 26/05/2018 00:29Hs

Início » Brasil » Em nova música, Lobão retrata a ‘impostora eleita’. Ouça

Em nova música, Lobão retrata a ‘impostora eleita’. Ouça

Canção 'A Posse dos Impostores' vai integrar o novo single do cantor, compositor e colunista de VEJA

lobão cantorLobão mira governo petista em nova música(Divulgação/Rui Mendes/VEJA)

O cantor e compositor Lobão lança na próxima semana a música A Posse dos Impostores, carro-chefe de um novo single que o músico planeja lançar no início de abril. A canção, que já foi apelidada de “hino dos protestos” contra o governo Dilma nas redes sociais, fala dos escândalos de corrupção, fraudes e esquemas de desvio do dinheiro público – e das “ruas que se inundarão” contra isso, como ficou evidente nas manifestações de 15 de março. Colunista de VEJA, Lobão gravou ano passado A Marcha dos Infames, outra música que mira o governo petista. Na canção, uma “lista negra” de jornalistas divulgada na época pelo PT inspira um retrato das práticas do partido em sua “marcha” para tomar e conservar o poder. Desta vez, sem citar Dilma nominalmente, Lobão fala na “impostora eleita rodeada de castrados com a nossa receita” e avisa: “Estamos fartos de um país frouxo, injusto e ineficaz”. Confira a letra e ouça a nova música do cantor:

A Posse dos Impostores

(Lobão)

Não há sombra de fúria no Planalto Central

na fraqueza mortal do rebanho no redil

É a Odisséia do Insulto, a vitória ideal

Do fracasso, do débil, do inútil servil

Da Terra do Nunca, onde é proibido crescer

À Terra do Menos onde o esmêro é encolher

Paraíso minúsculo do impostor

Da fraude sem escândalos, amnésia e calor

Esterilizando mamatas, silêncio e lorota

A mordaça é a grana e patrulha, a chacota

Gritar vou gritar: Até quando vão enganar

O rebanho no redil alegre a sambar?

Quem precisa correr, quem precisa lutar?

Quem precisa mentir, quem precisa sangrar?

Quantos já se calaram, quantos se foram em vão?

Resisitir será fútil quando as ruas se inundarão

Há uma sombra de fúria na impostora eleita

Rodeada de castrados com a nossa receita

Com sua pompa vulgar de butijão de gás

Estamos fartos de um país frouxo, injusto e ineficaz

Veja