João Pessoa 21/06/2018 23:28Hs

Início » Brasil » Gilmar Mendes critica vazamento de informações de processos ocultos do STF

Gilmar Mendes critica vazamento de informações de processos ocultos do STF

gilmar mend iO ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), criticou nesta terça-feira (7) o vazamento de informações de processos que tramitam de forma oculta na Corte. Sem citar especificamente nenhum processo, o ministro disse que os vazamentos têm ocorrido e que são um abuso de autoridade.

“Na verdade tem ocorrido, vamos dizer claramente, e aconteceu inclusive em processo de minha relatoria. Processos ocultos, que vêm como ocultos, e que vocês já sabem, divulgam no Jornal Nacional antes de chegar ao meu gabinete. Isso tem ocorrido e precisa ter cuidado, porque é abuso de autoridade”, afirmou o ministro aos jornalistas pouco antes do início da sessão de uma das turmas do STF.

“É preciso ter muito cuidado com isso e os responsáveis têm de ser chamados às falas. Não se pode brincar com esse tipo de coisa. ‘Ah, é processo oculto’. Pede-se sigilo, mas divulga-se para a imprensa que tem o processo aqui ou o inquérito. Isso é algo grave. Não se pode cometer esse tipo de… isso é uma brincadeira com o Supremo. É preciso repudiar isso de maneira muito clara”, acrescentou.

Gilmar Mendes disse ainda que “quem estiver fazendo isto [vazamento] está cometendo crime.”

Janot pede prisão de Renan, Jucá, Sarney e Cunha

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedido de prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do senador Romero Jucá (PMDB-RR), do ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP) e do deputado afastado da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O caso dos peemedebistas será analisado pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo. As informações foram divulgadas pelo O Globo.

É a primeira vez que a PGR pede a prisão de um presidente do Congresso e de um ex-presidente da República. Janot também pediu o afastamento de Renan Calheiros da Presidência do Senado.

O pedido de prisão contra Renan e e Jucá, e de prisão domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica, para o ex-presidente Sarney (devido à idade, 86 anos) têm relação com as gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que apontaram para a intenção de um “pacto” para deter a Operação Lava Jato. Já o caso de Eduardo Cunha estaria ligado às tentativas de interferência em processos na Justiça e no Conselho de Ética, mesmo após o afastamento do parlamentar.

Com Agência Brasil