João Pessoa 25/05/2018 05:09Hs

Início » Brasil » Gilmar Mendes por Mario Rosa: ‘Vê vaias como elogio e elogios como crítica’

Gilmar Mendes por Mario Rosa: ‘Vê vaias como elogio e elogios como crítica’

Ministro mandou soltar Garotinho

Sen Renan Calheiros, ministro do STF Gilmar Mendes e o juiz federal Sérgio Moro, durante debate do PL 280/2016, sobre abuso de autoridade o plenário do Senado. Brasilia, 01-12-2016 (Foto: Sérgio Lima/PODER 360).

HC DO MENINO GILMAR EM FAVOR DO BOM VELHINHO

Ah…esses adultos definitivamente não sabem lidar com as reinações do menino Gilmar. O menino é realmente sapeca, disso ninguém duvida. Mas não adianta: ele não teme os adultos. É muito rebelde. Pra quem não se lembra, o menino Gilmar é o personagem que vivia na Terra dos Ódios e era vítima de uma terrível maldição: quanto maior fosse seu erro, mais retumbantes os aplausos que ouvia. Já quanto mais corretos fossem seus acertos, mais esgoeladas as vaias que lhe dispensavam.

Desta vez, o menino Gilmar estava numa enrascada. Quebrando o meu compromisso de nunca fazer jornalismo investigativo nestas linhas, vou abrir uma exceção. O fato é que…ai, ai, ai…o menino Gilmar tinha brigado na escola! E o que é mais desagradável para um menino: apanhou feio. E de uma menina. E o que fizeram os adultos? Espalharam esse melindre pra todo lado, pra encher de vergonha o menino.

É aí que digo que os adultos não conhecem o menino: o que provoca medo nele são os aplausos, os elogios, as emulações. Não sei porque, mas a fidalguia exerce sobre o menino Gilmar o mesmo efeito que a criptonita sobre o Super Homem. Ele fica paralisado, bestificado. Mas ai daquele que lhe der uma bofetada! Aí o menino cresce, vira um gigante e sua coragem brota como um tsunami.

Foi o que aconteceu com a surra que lhe deram. O coração do menino Gilmar mandou soltar uma moça muito mal falada e permitiu que ela passasse o Natal com os filhos, já que o pai também está preso e as crianças são menores. A lei permite. O que não permite são as leis não escritas da Terra dos Ódios. E Gilmar as ignorou.

Já que estava com a mão na caneta, o menino mandou soltar um empresário preso desde o meio do ano. Preso sem condenação. O coração do menino Gilmar cada vez mais acha que prisão é só para condenados. Aí, a caneta do menino virou metralhadora: decidiu que delação, por si só, não serve para nada e inocentou (por favor, retirem crianças da sala ou pessoas com problemas de saúde da sala) po-lí-ti-cos. E já que estava encapetado, o menino resolveu também suspender uma coisa estranha chamada “condução coercitiva”, uma prisão em que o sujeito é levado de casa para depor, com todo o estardalhaço. E soltou garotinhos e outros que só ele mesmo, menino, era capaz.

Tudo isso porque o menino teve uma briga na escola e os adultos resolveram fazer bullying com ele. E o menino Gilmar apanhou como um coitado nas redes sociais da Terra dos Ódios. Só que ele, cada vez mais, está aprendendo a ver as coisas como uma lente invertida. Vê as vaias como um elogio e os elogios como uma crítica. Atenção adultos: critiquem mais o menino para induzi-lo ao erro. É tão fácil. É só dizer assim: quando quiserem alguma coisa, ameacem o menino de destruí-lo se ele apoiar aquela ideia que vocês desejam ardentemente. Aposto que o pirracento vai fazer só porque é marrento, entenderam? Mas se baterem por bater ele vai enfrentá-los. Fica a dica.

Chamaram até o menino de Papai Noel. Tadinho. Ele anda tão preocupado com o bom velhinho. Neste Natal, talvez tenha sido o único menino do mundo que, ao invés de enviar, fez foi receber uma carta do polo norte. O bom velhinho está preocupado e contratou um criminalista a peso de ouro.

É que disseram que sua roupa, usada há tanto tempo, da ensejo a processo por campanha antecipada. O uso de renas pode ser entendido como crime ambiental. A descida pelas chaminés como invasão de domicílio. E o pior de tudo: não há notas fiscais nem documentos de procedência dos presentinhos. Há evidências de crimes de sonegação, descaminho, organização criminosa e para muitos o polo norte é um paraíso fiscal. O bom velhinho ouviu dizer que existe um estado policial nos glaciares. Não se espantem se o menino der um habeas corpus para o bom velhinho. É Natal. E Natal é tempo de amor. Até mesmo na Terra dos Ódios.

Poder360