João Pessoa 14/08/2018 06:32Hs

Início » Brasil » PGR pede condenação de Gleisi Hoffmann e Paulo Bernando

PGR pede condenação de Gleisi Hoffmann e Paulo Bernando

Multa e perda de mandato estão entre os pedidos ao STF

Senadora Gleisi Hoffmann durante reuni‹o do PT -EstratŽgias para a Economia Brasileira- Foto: SŽrgio Lima/PODER 360

A PGR (Procuradoria Geral da República) pediu nesta 6ª feira (24.nov.2017) a condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), do ex-ministro Paulo Bernardo e do empresário Ernesto Kugler. Além do pagamento de multa de R$ 4 milhões por cada 1, a PGR pede a perda de mandato da petista.

Nas alegações finais enviadas ao STF (Supremo Tribunal Federal), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, detalha o esquema que teria viabilizado o pagamento de propina de R$ 1 milhão que teria sido usada na campanha eleitoral de 2010.

As provas, segundo a PGR, revelaram que o dinheiro saiu de empresas que tinham contratos com a Petrobras. O valor arrecadado pelo então diretor de abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, foi posteriormente repassado ao operador Alberto Youssef, que era o operador no esquema dentro da diretoria.

Segundo a PGR, os 3 sabiam da atuação de Yousseff no esquema criminoso. A propina teria sido paga em espécie, de forma parcelada e não registrada na prestação de contas da então candidata ao Senado.

Para Raquel Dodge, “a sistemática montada pelo grupo prova a existência de dolo, ainda que eventual, por parte da então candidata que utilizou método considerado “mais caro e arriscado que qualquer transferência bancária ou doação eleitoral lícita”.

A PGR defendeu ainda que as penas para Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo sejam agravadas devido a longa experiência de ambos como políticos:

“Mais que corrupção de um mero agente público, houve corrupção em série, de titulares de cargos dos mais relevantes da República, cuja responsabilidade faz agravar sua culpa na mesma proporção”.

OUTRO LADO

Em nota, a defesa da senadora diz que a acusação foi feita com base em delações conflitantes:

“A acusação formulada pela PGR foi baseada somente em depoimentos claramente conflitantes de três colaboradores premiados.

Ao longo do processo, foram apresentados documentos, prestados testemunhos e ouvidos outros colaboradores que refutaram veementemente a acusação, seja sob o prisma da inexistente solicitação de valores a Paulo Roberto Costa ou da mentirosa história de entrega de valores por Alberto Youssef e Antônio Pieruccini.

Certa de que os fatos foram integralmente esclarecidos ao longo da instrução, a Senadora Gleisi Hoffmann apresentará as suas alegações finais confiando em sua absolvição através de um julgamento técnico por parte do Supremo Tribunal Federal.”

Poder360