João Pessoa 25/05/2018 20:18Hs

Início » Brasil » Seringa que teria atingido PM no Alemão não foi encontrada; ‘pode ter sido outro objeto’, diz delegado

Seringa que teria atingido PM no Alemão não foi encontrada; ‘pode ter sido outro objeto’, diz delegado

seringa uppO policial militar lotado na UPP Nova Brasília que teria sido atingido por uma seringa supostamente com sangue no último domingo ainda não prestou depoimento na 45ª DP (Complexo do Alemão), responsável por investigar o caso. Informalmente, contudo, o soldado afirmou não poder precisar que tipo de objeto o acertou.

— O objeto utilizado no ataque não foi encontrado, então sequer podemos afirmar, até o momento, que se trata de uma seringa. Poderia ser um clipe de papel, ou uma caneta, por exemplo — explicou o delegado Fábio Asty, titular da 45ª DP, acrescentando que não há câmeras de segurança que possam ter flagrado toda a movimentação.

O ataque ocorreu quando o soldado chegava para trabalhar em seu carro particular, sem a farda. Uma mulher aproximou-se e fingiu precisar de ajuda. Ao abrir a janela, o agente foi atingido pelo objeto, e a agressora fugiu em seguida. A Polícia Civil trabalha, agora, para identificar a suspeita de praticar o crime, mas ainda não há pistas sobre o paradeiro da mulher.

Encaminhado ao Hospital Central da PM (HCPM), no Estácio, o policial ficou internado até a tarde desta segunda-feira, quando foi liberado pelos médicos. O soldado, entretanto, está afastado temporariamente das funções, e precisará passar por um acompanhamento diário na unidade de saúde.

A vítima passou por vários testes ministrados pela equipe de infectologia do HCPM. Até ontem, não havia sido constatada nenhuma contaminação por doenças transmissíveis pelo sangue, mas alguns exames ainda precisarão ser repetidos. Não há prazo para a conclusão do tratamento.

Após o ataque, uma mensagem creditada ao major Leonardo Zuma, comandante da UPP Nova Brasília, citava o ocorrido como uma nova forma de “desestabilizar o moral” dos PMs das UPPs. Em contato por telefone, o oficial pediu que fosse procurada a assessoria da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP).

A CPP, por sua vez, afirmou que “o comando da Polícia Militar está avaliando as circunstâncias do ataque e analisando as medidas necessárias para a proteção da tropa”.

Extra