João Pessoa 18/06/2018 11:17Hs

Início » Brasil » Vítimas de Roger Abdelmassih procuram por filhos que nem sabem se existem

Vítimas de Roger Abdelmassih procuram por filhos que nem sabem se existem

Em reportagem exibida pelo programa ‘Fantástico’, da Rede Globo, casais relatam o drama que vivem por terem embriões desaparecidos

abdelmassihSão Paulo – O “Fantástico”, da TV Globo, deste domingo exibiu reportagem sobre o desaparecimento de embriões produzidos na clínica do ex-médico Roger Abdelmassih. Condenado pela Justiça a 278 anos de prisão por atacar sexualmente 52 mulheres, Abdelmassih é acusado pelas vítimas de ter implantado em outras mulheres ou descartado os embriões que não foram usados na fertilização.

Algumas das vítimas, como Vana Lopes, fizeram o tratamento de fertilização há mais de 20 anos. O tratamento consiste em extrair óvulos da mulher e fecundar com os espermatozoides, o que dá origem a embriões que são implantados no útero da mulher. Muitas vezes são produzidos mais embriões do que os necessários. Alguns são implantados, e outros são congelados, para serem usados em outras tentativas de fertilização.

A dúvida das vítimas de Abdelmassih é sobre o que foi feito dos embriões que não foram implantados. A clínica, fechada depois da condenação do ex-médico, hoje é um laboratório, e os novos donos afirmam terem recebido o imóvel vazio. A suspeita de alguns casais é que os embriões tenham sido implantados em outras mulheres.

Os órgãos de vigilância sanitária, que seriam responsáveis pela fiscalização das clínicas de fertilização, tampouco sabem do destino dos embriões. A Anvisa passou a fiscalizar os relatórios das clínicas somente após o fechamento do estabelecimento de Abdelmassih. A vigilância sanitária estadual se eximiu do problema, afirmando que não se trata de uma questão sanitária.

Vana Lopes fez tratamento de fertilização há mais de 20 anos

Foto:  Reprodução TV Globo

As vítimas de Abdelmassih pretendem entrar na Justiça para descobrir o paradeiro de seus embriões. Mas um problema que vão enfrentar é a falta de legislação para casos como esse. A regulamentação da fertilização in vitro no Brasil é feita pelo Conselho Federal de Medicina, e não tem força de lei. Por isso, se Abdelmassih descartou os embriões ou os implantou em outras mulheres, ele não cometeu um crime.