João Pessoa 27/05/2018 17:48Hs

Início » Câmara em foco » Perguntas sobre religião ou orientação sexual podem ser proibidas em entrevistas de emprego na Capital

Perguntas sobre religião ou orientação sexual podem ser proibidas em entrevistas de emprego na Capital

Segundo o autor da proposta, vereador Humberto Pontes (Avante), o projeto visa vetar atos discriminatórios em seleção de funcionários

Para garantir preceitos constitucionais de liberdade de crença e de orientação sexual, o vereador Humberto Pontes (Avante) apresentou um Projeto de Lei Ordinária (PLO) na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) que proíbe perguntas sobre religião e orientação sexual em entrevistas de emprego na Capital.

Para o parlamentar, o PLO409/2017 tem como objetivo proibir qualquer ato discriminatório no momento da admissão ou adesão em empresas públicas ou privadas, sociedades, associações, clubes e afins. “Não convém ao empregador inquirir ao candidato que procura uma vaga de emprego o conhecimento prévio de sua religião nem a sua orientação sexual, pois não é condicionante para nenhuma atividade laboral. Assim, esta indagação pelo empregador é uma afronta à dignidade da pessoa humana, já reconhecida pela Justiça do Trabalho”, justificou Humberto Pontes.

De acordo com a norma, o não cumprimento da lei pode acarretar ao empregador multa no valor da remuneração mensal oferecida para a vaga de trabalho, podendo o valor ser dobrado em caso de reincidência. Permanecendo a infração, a empresa poderá ter suspensa o alvará de funcionamento ou, sendo funcionário público, será aberto um inquérito administrativo. O projeto ainda estabelece que o conteúdo da lei seja divulgado em todos os locais de seleção de candidatos, seja em empresas públicas ou privadas.

“É salutar o projeto de lei que proíbe tais práticas discriminatórias levar à reflexão daqueles violadores que a finalidade mercantil também deve ser de buscar construir uma sociedade livre, justa e solidária, de acordo com Inciso I do Artigo 3° da Constituição Federal, atendendo a função social da atividade empresarial ou pública”, concluiu Humberto Pontes.

CMJP