João Pessoa 19/08/2018 09:49Hs

Início » Câmara em foco » Vereador cobra promessas de campanha de Cartaxo na educação

Vereador cobra promessas de campanha de Cartaxo na educação

lucas de britoO vereador Lucas de Brito (DEM) usou a tribuna da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), na sessão ordinária desta terça-feira (24), para cobrar do prefeito da Capital, Luciano Cartaxo (PT), o cumprimento de promessas de campanha na área de educação. O oposicionista exibiu vídeo com a propaganda política do prefeito na época das eleições 2012, destacando as melhoras que faria na educação do Município.

 

No vídeo, o atual prefeito afirmou que iria promover a valorização dos professores da rede municipal de ensino e a realização de cursos de qualificação direcionados a professores e diretores, além de melhorias salariais e uma jornada de trabalho adequada. Lucas de Brito afirmou que Luciano Cartaxo não cumpriu nenhuma das promessas.

 

Os servidores da educação municipal estão em greve e pedem, dentre outras reivindicações, um reajuste salarial de 16%. Dentre as propostas do prefeito, estão o reajuste de 3% e a elevação de um nível da progressão funcional da categoria. “Três por cento de reajuste não é nem recomposição salarial, não atinge nem o índice inflacionário do ano passado. A crise instalada na Prefeitura, o aumento dos gastos com prestadores de serviços e o estouro da folha de pessoal não é culpa dos professores. Eles estão pagando uma conta que não é deles”, afirmou Lucas de Brito.

 

O parlamentar lamentou o que o requerimento solicitando a realização de uma audiência pública para a discussão das reivindicações dos professores tenha sido derrubado pela maioria dos parlamentares. “Eu propus hoje o debate. Queríamos uma audiência pública e a proposta era discutir as reivindicações dos professores. A categoria não pode trazer a esta Casa seus argumentos, eles estão sendo privados de utilizar essa Tribuna”, declarou o vereador.

 

Lucas de Brito ainda destacou que, em 2013, fez denúncias sobre o atraso na entrega de material didático na rede municipal de ensino. “Como os alunos começam o ano sem livros, sem diário de classes, cadeiras? Os professores estão dispendendo recursos de seu próprio bolso para manter condições dignas em sala de aula”, afirmou o parlamentar.