João Pessoa 22/06/2018 05:34Hs

Início » Câmara em foco » Vereador é processado por defender direitos dos professores municipais

Vereador é processado por defender direitos dos professores municipais

renato-martins-300x225-boaO vereador Renato Martins (PSB), líder da oposição na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) está sendo processado pelo líder da bancada do prefeito Luciano Cartaxo (PSD), vereador Marco Antônio (PPS), depois de uma solicitação de audiência para discutir sobre melhorias na educação do município.

 

De acordo com o socialista, o seu opositor está movendo uma ação judicial porque é subserviente ao prefeito, e desta forma não aceitaria quem poderia acompanhar e/ou apoiar a causa dos servidores que estavam manifestando suas demandas por insatisfação com a gestão atual da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP). O parlamentar ainda destacou que foi acusado de ser criminoso por estar comparecendo nas assembleias e nos movimentos realizados, mas afirma que este é um dever de um parlamentar, defender os direitos da população.

 

“Durante a greve dos professores em 2015, nosso mandato esteve participando ativamente das assembleias e protestos. Procuramos na tribuna da Casa enfatizar que a luta da categoria era por melhores condições de trabalho, remuneração, e benefícios estruturais nas escolas, dentro outras reivindicações. Nosso mandato solicitou audiência pública, solicitamos a secretaria – Secretaria Municipal de Educação (SEDEC) – uma retratação diante uma carta ameaçadora que foi elaborada na época. E em nada disso a bancada de situação, ou o líder amparou nossas reivindicações. E em uma data específica ao pedir uma audiência pública o vereador Marco Antônio nos acusou de criminosos, por participar de uma assembleia de professores, que na época mesmo com ordem judicial contrária, ordem de primeira instância em forma de liminar, continuavam em greve. Eu respondi que ele deveria ser acusado de prevaricação, por fugir da luta. E isso é primordial numa função de um vereador, lutar pelo povo. Estamos tranquilos, porque a acusação que nos fazem não nos cabe, porque estamos à disposição da luta por uma educação de qualidade”, explicou.

Assessoria Parlamentar