João Pessoa 21/06/2018 09:57Hs

Início » Cidades » Garotinho será transferido para Bangu 8

Garotinho será transferido para Bangu 8

RIO — A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) determinou a transferência do ex-governador Anthony Garotinho para o presídio de Bangu 8, na Zona Oeste do Rio. A determinação foi confirmada em nota enviada à imprensa por volta das 19h.

“A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária informa que o interno Anthony Willian Garotinho Matheus de Oliveira que se encontra na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, será transferido Cadeia Pública Pedrolino Werling de Oliveira, no Complexo Penitenciário de Gericinó”, diz a nota.

A decisão aconteceu mesmo após a Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça do Rio negar o pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) para que o ex-governador fosse transferido da Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na Zona Norte do Rio. Segundo o MPRJ, a permanência dele no mesmo presídio em que estão detentos da Lava-jato apresentaria riscos à integridade física do político.

Nesta sexta-feira, o juiz Ralph Manhães, da 98ª Zona Eleitoral de Campos dos Goytacazes, se manifestou a favor da transferência do ex-governador para um presídio de segurança máxima, incluindo a possibilidade de que ele vá para uma penitenciária federal. Todavia, decisão final é da Vara de Execuções Penais (VEP).

Também nesta sexta-feira, Garotinho foi levado à 21ª DP (Bonsucesso) para prestar depoimento após relatar ter sido agredido com um porrete dentro de sua cela no presídio. De acordo com o ex-governador, o local teria sido invadida durante a madrugada. O advogado de Garotinho, Carlos Azeredo, afirmou que seu cliente vai fazer o retrato falado para identificar a pessoa que, supostamente, o agrediu.

De acordo com o advogado, após relatar a agressão, Garotinho foi atendido pelo ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes, aliado do ex-governador Sérgio Cabral. Médico, Côrtes está preso sob a acusação de receber propina e trabalha na enfermaria da Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, para onde estão sendo levados os presos da Lava-Jato no Rio.

A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), no entanto, informou à Vara de Execuções Penais (VEP) do Rio que Garotinho se autolesionou dentro de sua cela. O presidente do Sindicato dos Servidores do Sistema Penal Do Rio, Gutembergue de Oliveira, afirmou que as imagens das câmeras de segurança desmentem a versão do ex-governador. Segundo o delegado responsável pelo caso, Wellington Vieira, Garotinho poderá ser indiciado por falsa comunicação de crime, caso seja comprovado que ele não foi agredido em sua cela. O crime prevê de um a seis meses de detenção ou multa.

Defesa de Garotinho protocolou Habeas Corpus

Nesta quinta-feira, a defesa do ex-governador protocolou um habeas corpus no Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) contra a prisão do político. Garotinho e a mulher, a ex-governadora Rosinha, são acusados de integrarem uma organização criminosa que arrecadava recursos de forma ilícita com empresários com o objetivo de financiar as próprias campanhas eleitorais e a de aliados, inclusive mediante extorsão. Os dois estão na presos na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica.

Rosinha foi presa em Campos, e Garotinho, no Flamengo, na zona sul do Rio. O ex-governador já deixou a PF, no Rio. Ele foi para o IML, ficou um período em uma cela no Corpo de Bombeiros do Humaitá, na Zona Sul do Rio, e depois foi transferido para a Cadeia Pública, em Benfica. Os advogados da ex-governadora também entraram com pedido de liberdade no TRE.

A Vara de Execuções Penais (VEP) tomou a decisão após ter conhecimento de que, ao ser preso, o ex-governador Garotinho foi levado para o quartel dos Bombeiros e não para a Cadeia Pública, destinada aos presos provisórios, com curso superior. O pedido de prisão preventiva foi feito pela Justiça Eleitoral.

Dois delatores apresentaram detalhes do esquema aos investigadores da Polícia Federal e do Ministério Público Eleitoral de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense: Ricardo Saud, executivo da JBS, e André Luiz Rodrigues, sócio da empresa Ocean Link. JBS e Ocean Link firmaram um contrato de fachada em 2014, com o objetivo de repassar, via caixa dois, R$ 2,6 milhões para a campanha de Garotinho ao governo do estado.

Rodrigues também narrou ter feito doações irregulares a Garotinho, Rosinha e aliados em 2010, 2012 e 2016. Segundo o empresário, a prefeitura segurava, a mando do ex-governador, pagamentos que eram devidos às empresas e só liberava os recursos após a efetivação das contribuições por meio de caixa dois.

A investigação aponta ainda que o grupo tinha um “braço armado”: o policial civil aposentado Antônio Carlos Ribeiro da Silva, conhecido como Toninho. O delator contou que Toninho o procurou, armado com duas pistolas, exigindo que ele sacasse o dinheiro que havia sido depositado pela JBS.

HERANÇA DO PAI

Nesta quinta-feira, a deputada federal Clarissa Garotinho (PR) afirmou que peticionou diversas autoridades cobrando responsabilidades pela integridade física de seu pai, o ex-governador Anthony Garotinho, preso nesta quarta-feira, pela Polícia Federal. Segundo ela, a transferência de Garotinho para a Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na Zona Norte do Rio, apresenta uma “ameaça” ao ex-governador. No mesmo presídio estão o ex-governador Sérgio Cabral, o presidente da Alerj, Jorge Picciani, e os deputados Alberto Albertassi e Paulo Melo, todos do PMDB.

Em um vídeo publicado em suas redes sociais nesta quarta-feira, Clarissa afirmou que o ex-governador foi informado por um agente do presídio de que corria risco de vida.

“Ontem, quando voltaram para a cadeia, liguei para o meu pai e disse que estava preocupada, porque a totalidade das denúncias que levaram essa quadrilha do PMDB para a cadeia foi ele quem fez. Esse agente penitenciário já tinha passado a informação de que Cabral teria dado a declaração de que que faria xixi na sepultura do Garotinho, uma clara ameaça à vida dele. Garotinho preparou um ofício para que Governador Pezão aumentasse a segurança dele porque tinha sido ameaçado”, contou Clarissa.

Extra Online