João Pessoa 26/05/2018 21:47Hs

Início » Cidades » No quarto de Morato, muitos remédios, pendrives e até um Homem Aranha

No quarto de Morato, muitos remédios, pendrives e até um Homem Aranha

Coletiva-SDS-Paulo-César-de-Barros-MoratoEm coletiva, SDS detalha informações sobre a cena da morte de Paulo César de Barros Morato (Foto: Clemilson Campos/Folha de Pernambuco)

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (23), a Secretaria de Defesa Social (SDS) revelou informações sobre da cena da morte do então foragido da Polícia Federal Paulo César de Barros Morato, no motel Tititi, em Olinda. No local, além de cartelas de remédios em uso, foram encontrados alguns itens curiosos com a vítima, como um boneco de Homem Aranha.

No quarto onde foi encontrado o corpo de Morato, a Polícia Civil recolheu três aparelhos celulares (iPhone 5, iPhone 6 e um aparelho da marca Blue); vários óculos de grau e sol (de marcas como RayBan); três carteiras de couro marrom; três cheques em branco, sendo dois do Banco do Brasil e um do Bradesco.

Também foram encontrados 53 envelopes para depósito do Banco do Brasil, vazios. Outros R$ 3 mil em espécie e outros R$ 4,95 em moedas.

Entre os remédios, duas cartelas de cloridrato de metaformina, duas de glibenclanida, uma de tetramed e uma de Anador. Os medicamentos seriam para hipertensão e diabetes.

Entre os eletrônicos, sete pendrives, todos com oito giga de capacidade. Um deles, de um super-herói. E o mais curioso da cena de morte, foi a Polícia encontrar, no quarto do motel, um boneco do Homem Aranha.

Causa mortis
Durante a coletiva, a Polícia Civil afirmou que, até o momento, indícios apontam para que a morte tenha sido causada por ataque cardíaco ou suicídio, e que, Paulo César de Barros Morato já teria tentado tirar a vida anteriormente, segundo informou sua advogada.

Investigação
Durante o feriado, as investigações vão ficar com o DHPP. Depois do feriado, entretanto, a delegada Gleide Ângelo deve ficar encarregada a apuração dos fatos. Todas as informações que a perícia conseguir serão repassadas para as polícias Civil e Federal.

Com informações de Tauan Saturnino, da Folha de Pernambuco.