João Pessoa 24/05/2018 08:01Hs

Início » Destaque » Brasil fica na lanterna do crescimento mundial e perde até para Grécia.

Brasil fica na lanterna do crescimento mundial e perde até para Grécia.

Retração de 5,4% na comparação anual é a pior entre 31 países, segundo Austin Rating Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/negocios/brasil-fica-na-lanterna-do-crescimento-mundial-perde-ate-para-grecia-19416205#ixzz4AM6j9L8S © 1996 - 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

brasil perde pra gréciaBandeiras da União Europeia e da Grécia em Atenas – Yorgos Karahalis / Bloomberg

SÃO PAULO – A queda de 5,4% no Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre do ano em relação a igual período de 2015 colocou o Brasil na lanterna do crescimento global. Levantamento feito pela Austin Rating coloca o Brasil na última posição entre 31 países pesquisados.

— A economia brasileira vem perdendo força desde 2014 e foi se agravando, já que não houve uma mudança da matriz econômica. O melhor dado foi o consumo de governo, o que não é saudável. É um gasto de dinheiro que deveria ser transitório, como em 2009, mas isso continuou e o efeito foi o contrário. Houve queda de confiança, do investimento e da produção, afetando o PIB — afirmou Alex Agostini, economista-chefe da Austin.

O Brasil piorou o seu desempenho e ficou atrás inclusive de economias que também enfrentam crises financeiras graves, como a Grécia (29º) e Rússia (30º), com queda de 1,2%. A Venezuela, que ocupou a lanterna nos rankings anteriores, ainda não divulgou os resultados para o primeiro trimestre.

Na avaliação de Agostini, o governo interno de Michel Temer ainda não teve tempo de colocar em prática algumas medidas que podem resultar na melhora do ambiente econômico e, consequentemente, na recuperação do PIB. Com isso, a expectativa de retração do PIB em 2016 foi mantida em 2,9%, mas a de 2017 sofreu uma melhora, com uma projeção de estabilidade, ante queda de 0,7% da previsão anterior.

— A crise debilitou muito os agentes econômicos. O novo governo ainda está fazendo um balanço da situação para só em um segundo momento anunciar medidas práticas e implementá-las. O anunciado até agora ainda é insuficiente para se obter o equilíbrio fiscal e assim resgatar a confiança dos empresários — avaliou.

O melhor desempenho entre as economias avaliadas ficou com a Filipinas, com um crescimento de 6,9% no primeiro trimestre em relação aos três primeiros meses de 2015. A China ficou na segunda colocação, com 6,7%, seguida pela Indonésia, com 4,9%. Os Estados Unidos, maior economia do mundo, apresentou uma expansão de 2% nessa mesma base de comparação.

O Globo