João Pessoa 22/05/2018 15:50Hs

Início » Destaque » Cerca de 580 mil protestam em São Paulo contra o governo, diz PM

Cerca de 580 mil protestam em São Paulo contra o governo, diz PM

protesto fortalezaUsando camisetas verdes e amarelas, os manifestantes vieram apoiar o ato contra a presidente Dilma e o PT PAULO LOPES / ESTADÃO CONTEÚDO

Cerca de 580 mil pessoas ocupam a Avenida Paulista, em São Paulo, em uma manifestação organizada no início da tarde deste domingo (15) contra o PT (Partido dos Trabalhadores) e a presidente Dilma Rousseff, segundo informação divulgada pela Polícia Militar às 15h20 horas.

Usando camisetas verdes e amarelas, muitas delas da seleção brasileira, os manifestantes vieram apoiar o ato contra o governo após uma convocação feita nas redes sociais por três grupos, o MBL (Movimento Brasil Livre), Revoltados Online e VemPraRua.

Embora o impeachment  não estivesse na pauta do maior grupo, o VemPraRua, grande parte dos manifestantes pede o fim do governo petista. “Fora Dilma” e “Fora Lula” são as frases mais gritadas no ato.

A concentração, marcada para as 14h, começou por volta das 10h. No horário marcado, os manifestantes já ocupavam um dos lados da via.  Um carro de som foi estacionado na esquina entre a Avenida Paulista  e a Rua Pamplona. De lá, as lideranças pediram uma salva de palmas para o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), que estava lá acompanhado de sua esposa.

Em seguida, os líderes puxaram um coro afirmando que a manifestação é “suprapartidária”. Em seguida puxaram vários gritos, como “PT roubou” e “eu vim pra rua para protestar contra essa corja que não para de roubar”.

Uma das manifestantes era a advogada Priscila Fonseca, de 31 anos.

— Estou aqui para protestar contra a corrupção no geral. O Brasil precisa acordar. Mas o PT é o partido que está ligado a tudo isso.

Para Priscila, que é a favor do impeachment, “Dilma estava ciente do esquema de corrupção na Petrobras que vem sendo investigado pela Polícia Federal desde o início”.

Sobre a reforma política, que foi tema da marcha a favor do governo na última sexta-feira, ela disse que “essa parte é a mais complicada para opinar”.

— Tem que ter uma coisa transparente para não ocorrerem casos de corrupção de novo.

R7.com