João Pessoa 16/07/2018 23:46Hs

Início » Destaque » Coordenador econômico de Bolsonaro estuda manter parte da equipe de Temer

Coordenador econômico de Bolsonaro estuda manter parte da equipe de Temer

Reuniu-se com equipe do emedebista - Militar não fará indicações políticas, diz

O pré-candidato a Presidente Jair Bolsonaro (PSL) dará total liberdade ao economista Paulo Guedes na Fazenda caso seja eleito.

O coordenador do programa econômico do pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), o economista Paulo Guedes, disse que terá total liberdade ao montar sua equipe caso o militar seja eleito e o nomeie ministro da Fazenda. Segundo Guedes, há a possibilidade de manter parte da equipe econômica do presidente Michel Temer.

“O setor público tem extraordinários quadros e quem tem que fazer as reformas e ajudar a corrigir todos os erros são exatamente esses quadros de excepcional qualidade”, disse sobre atual gestão econômica do país.

A declaração foi feita em entrevista à Reuters divulgada nesta 6ª feira (13.mai.2018).

Em almoço do Poder360-ideias, em 8 de maio, Bolsonaro já havia falado sobre a possibilidade de manter Ilan Goldfajn na presidência do Banco Central. Na ocasião, o pré-candidato do PSL também defendeu a independência do banco.

Segundo Paulo Guedes, Bolsonaro diz ser “porteira fechada” e que não irá fazer nenhuma indicação política para os ministérios da Fazenda e do Planejamento e Banco Central.

O economista ainda disse que tem uma “ótima impressão” do atual secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, por seu “espírito público e conhecimento técnico”. Há poucas semanas, a seu pedido, Guedes encontrou-se com Mansueto para falar sobre atual a situação fiscal do país.

A declaração sobre o secretário foi feita pouco antes de Guedes encontrar-se novamente com membros da atual equipe econômica em Brasília. O encontro dessa vez foi a convite do ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, e na companhia do presidente do BC, Ilan Goldfajn. Guardia e Goldfajn têm se reunido com economistas de pré-candidatos.

APROFUNDAMENTO DA REFORMA TRABALHISTA

Paulo Guedes defendeu a continuidade da reforma trabalhista, com a substituição gradual do atual sistema de encargos baseado na folha salarial que conta com “alíquotas altíssimas”.

Para ele, a mudança vai impulsionar a geração de emprego e ampliar o número de pessoas economicamente ativas. De acordo com o IBGE, hoje o país possui cerca de 13,2 milhões de desempregados.

Segundo Guedes, também haverá uma reforma tributária mais ampla a ser implementada de maneira gradual, em 2 ou 4 anos.

“Aí você vai fazendo ‘phase in’ em um e ‘phase out’ em outro, vai calibrando. Justamente como a gente não vai fazer aventura, a gente não pode abrir mão da base tributária atual. Você reduz um pouquinho e introduz a outra. Essa outra está indo superbem, você acelera ela e retira a antiga”, disse

A intenção é fazer 1 novo modelo de encargos trabalhistas, mais simples e com custo menor.

“Vamos acabar com esses encargos, acabar com esse troço. Nós vamos botar no lugar uma base de incidência bem mais ampla, em vez de só alguns pagando muito. Esse é 1 princípio que estamos vendo”, afirmou.

APOIO NO CONGRESSO

Segundo Guedes, o coordenador informal da pré-campanha de Bolsonaro, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), disse-lhe que até o final de julho Bolsonaro terá apoio suprapartidário de 120 deputados federais para a Presidência.

Apesar do número, a estimativa ainda é abaixo do necessário para a aprovação de reformas constitucionais, que precisam de ao menos 308 votos na Câmara.

Desta forma, o economista afirma que com a possível eleição de Bolsonaro, a“governabilidade” do ex-capitão do exército se dará para além da noção de 1 novo pacto federativo, com o apoio dos partidos em cima de propostas em discussão no Congresso.

“É uma valorização dos temas e votação no atacado. Esse partido está conosco, aí temos 30, 40 votos do partido, justamente para acabar com a compra mercenária de votos no varejo”, disse.

Poder360