João Pessoa 17/07/2018 23:22Hs

Início » Destaque » DataPoder360: a 3 meses da eleição, Bolsonaro é líder e ‘não voto’ tem 42%

DataPoder360: a 3 meses da eleição, Bolsonaro é líder e ‘não voto’ tem 42%

Sem Lula, militar vai de 18% a 21% - Em alta: brancos, nulos e indecisos - Haddad (PT) tem 6%; Alckmin, 8% Bolsonaro vence todos no 2º turno - Ciro Gomes fica com 12% a 13%

Bolsonaro lidera, os outros estão embolados em 2º lugar e até 42% dos eleitores ainda não têm candidato a 3 meses da eleição

A 3 meses da eleição presidencial de 7 de outubro, pesquisa DataPoder360 revela grande indecisão por parte dos eleitores, Jair Bolsonaro (PSL) na liderança isolada em cenários sem Lula e 5 candidatos embolados em 2º lugar, com leve vantagem para Ciro Gomes (PDT).

O maior percentual da pesquisa é a taxa de “não voto”, de 40% a 42%, a depender do cenário testado, dizem que votarão em branco ou nulo ou que estão indecisos ou não respondem.

Essa tem sido uma tendência em disputas eleitorais recentes. No Tocantins, em junho de 2018, a taxa de “não voto” foi de 52% numa eleição suplementar para governador. No Amazonas, que também escolheu 1 governador tampão em 2017, o “não voto” ficou perto de 40%.

DataPoder360divisão de pesquisas do portal Poder360, realizou 5.500 entrevistas por meio de telefones fixos e celulares de 25 a 29 de junho. Foram atingidas 229 cidades em todas as regiões do país. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O registro do estudo no TSE é BR-05297/2018.

Foram testados 2 cenários, ambos já usados no levantamento de maio. Por essa razão é possível comparar as duas pesquisas.

No 1º cenário foram incluídos apenas os 6 candidatos mais competitivos, os que têm 5% ou mais de intenção de voto nos últimos meses.

Já no 2º cenário o DataPoder360 testou os nomes de 15 pré-candidatos a presidente.

A seguir, o resultado geral nos 2 cenários pesquisados no final de maio e no final de junho:

Não foi incluído desta vez o nome do tucano João Doria como opção de candidato a presidente pelo PSDB. O ex-prefeito de São Paulo foi testado em maio. Pontuou 6% no DataPoder360, uma taxa semelhante à obtida por Geraldo Alckmin, o que dificulta a troca de nomes pelo PSDB a esta altura do processo. Doria deve permanecer como candidato ao governo de São Paulo.

O potencial de voto de Luiz Inácio Lula da Silva foi pesquisado (é de até 35%) e também a opinião dos lulistas sobre quem o petista deve apoiar se não for candidato (Fernando Haddad se aproxima de Ciro Gomes) –esses dados estão neste post. Há também a taxa de rejeição ao governo Michel Temer (76%), neste relato.

DESTAQUES DA PESQUISA

A rodada de 25 a 29 de junho do DataPoder360 foi realizada em meio à Copa do Mundo de futebol na Rússia. O evento esportivo galvaniza a atenção dos brasileiros. É natural que poucas mudanças ocorressem agora na corrida presidencial.

De forma resumida, a pesquisa mostrou o seguinte:

  • Jair Bolsonaro (PSL) – o representante da direita registrou uma variação negativa nos cenários testados, mas sempre no limite da margem de erro (2 pontos percentuais, para mais ou para menos). Tinha 21% e 25%. Agora, tem de 18% a 21%.É necessário levar em conta que a última pesquisa foi no final de maio, no auge da paralisação de caminhoneiros que afetou todo o Brasil. Havia uma propensão entre os eleitores para manifestar aversão a políticos em geral –sentimento do qual se beneficia Bolsonaro, apesar de ele próprio estar na vida pública há décadas. Agora, a oscilação negativa que teve pode indicar 1 refluxo, ainda que marginal, em seu eleitorado. Só as próximas pesquisas trarão uma resposta mais definitiva.Neste momento, parece certo que o capitão do Exército na reserva tem cerca de 20% das intenções de voto. Quando vai ao 2º turno, sobe para o patamar de 36%. A seu favor, Bolsonaro tem o fato de ter eleitores muito convictos: 79% dizem que votam nele com certeza e não mudam mais de opinião. A maior dificuldade do nome do PSL continua sendo o voto feminino. Bolsonaro chega a 26% entre homens e tem apenas 11% entre mulheres.
  • Ciro Gomes (PDT) – continua sendo o 2º colocado mais bem posicionado, mas sua distância para os demais é muito pequena, pouco acima da margem de erro. Ciro luta para herdar os votos de esquerda que naturalmente têm ido para o PT nas últimas décadas. Precisa também ampliar suas alianças partidárias. Todas as pesquisas recentes indicam que 1 eventual “candidato do Lula” poderá rapidamente ganhar tração durante a campanha. O eleitor de esquerda pode preferir votar em 1 nome “de marca” (filiado ao PT) em detrimento de 1 “nome genérico” (Ciro). É necessário levar em conta que Ciro tem sido 1 dos candidatos que têm conseguido mais visibilidade no noticiário, a chamada “free media”, por conta de suas propostas sempre apresentadas de maneira efusiva e direta. Mesmo assim, suas variações ficam sempre dentro da margem de erro. Tinha 11% e 12% no final de maio. Agora, 12% e 13%.
  • Fernando Haddad (PT) – cotado para substituir Lula na corrida pelo Planalto, o ex-prefeito de São Paulo pontua 5% ou 6%, conforme o cenário testado. Há 1 mês, tinha 6% ou 8%. Haddad é apresentado logo no primeiro cenário testado, sem que o nome de Lula tenha sido mencionado ainda na pesquisa. Essa é uma diferença importante da metodologia do DataPoder360 em relação a outros levantamentos.A presença de Lula logo no início de uma pesquisa tende a “esquentar” o eleitor do PT que deseja votar no ex-presidente –que no momento está preso cumprindo pena imposta por condenação na Lava Jato. Sem Lula no início da pesquisa e apenas confrontado com a opção de outro petista (Haddad), esse nome alternativo do partido tende a ter 1 desempenho melhor do que em outros estudos de intenção de voto. Na realidade, é uma forma de testar como será o eventual desempenho do substituto de Lula. Entre os eleitores que hoje dizem votar em Lula (uma pergunta posterior no levantamento), Haddad chega a ter até 34% de potencial de apoio;
  • Marina Silva (Rede) – em pesquisas por telefone, como esta do DataPoder360, a pré-candidata da Rede sempre tem 1 desempenho pior do que em levantamentos feitos com entrevista face a face. Neste estudo ela pontua 7% nos 2 cenários testados (há 1 mês, tinha 6% ou 7%). Essa discrepância pode ser explicada, pelo menos em parte, pelo voto pouco sólido de Marina Silva. Entre seus eleitores, 31% dizem que ainda podem mudar de opinião.
    Como Marina é uma candidata que incorpora o que se convencionou chamar de “politicamente correto”, possivelmente muitos eleitores acabam dizendo neste momento que vão votar na pré-candidata da Rede em entrevistas pessoais –embora não tenham tanta certeza assim. Esse comportamento tende a ser menos presente em entrevistas impessoais e automatizadas, ao telefone;
  • Geraldo Alckmin (PSDB) – paralisado, o tucano pontua 7% ou 8% nesta pesquisa do final de junho. Há 1 mês, no final de maio, tinha 6% ou 7%. Geraldo Alckmin rivaliza com Marina Silva quando se trata de voto pouco cristalizado: 39% de seus eleitores dizem que ainda podem mudar de opinião. Com uma equipe muito profissionalizada, partido grande e tempo de TV garantido, Alckmin é em teoria o pré-candidato que mais reúne predicados objetivos para decolar na fase final. Ocorre que política não é uma ciência exata. Os comerciais to tucano na rede evocam parcialmente os de Ulysses Guimarães na TV durante a campanha de 1989 pelo Planalto. As peças publicitárias exaltam o fato de Alckmin estar no mesmo partido há 30 anos e de ser o mais experiente entre os concorrentes. Era o que Ulysses dizia em 1989, até porque eram fatos substantivos e incontestáveis. Mas naquele ano o eleitorado buscava por 1 candidato com outro tipo de estampa –e ele ficou com apenas 4% dos votos;
  • Alvaro Dias (Podemos) – o ex-tucano e senador pelo Paraná tem 4% e 5%. No final de maio, pontuava 5% e 6%. Demonstra ter dificuldade para ampliar seu leque de apoio. Tem 14% na região Sul. Nas demais, vai de 1% a 4%. Houve 1 momento no atual ciclo eleitoral em que Alvaro foi considerado como opção do autodenominado “centro”, mas essa onda nunca ganhou tração e o pré-candidato do Podemos terá muita dificuldade para decolar. Como neste momento Geraldo Alckmin pontua quase o dobro, talvez voltem as negociações para que Alvaro possa ser o vice do tucano –algo que o Podemos já rejeitou mais de uma vez.

CRUZAMENTOS DE DADOS

A seguir, alguns dos cruzamentos de dados mais relevantes da pesquisa DataPoder360, considerando-se o cenário mais longo, com 15 candidatos.

Para facilitar a leitura, só estão nos quadros os 6 primeiros colocados. Para ler as estratificações com os percentuais de todos os 15 candidatos listados nesse cenário, clique no link da pesquisa completa, ao final deste post.

CERTEZA DO VOTO

DataPoder360 indagou sobre a certeza da decisão dos entrevistados a respeito do voto para presidente.

No final de maio, 49% responderam que o voto presidencial já estava decidido. No final de junho, o percentual foi a 52% –uma variação dentro da margem de erro.

Há ainda 23% que dizem que podem mudar de ideia até o dia da eleição, em 7 de outubro. E 25% estão indecisos ou não respondem.

Essa “certeza do voto” deve ser interpretada como 1 quadro deste momento, como todo o restante da pesquisa. Nada impede que uma mudança na conjuntura leve muitos eleitores convictos a mudar de opinião mais adiante.

O fato é que esse é 1 termômetro real de como está o espírito dos brasileiros a respeito da corrida presidencial: apenas metade está dizendo hoje que já tomou uma decisão.

Como se observa no cenário a seguir, Jair Bolsonaro é quem tem o voto mais sólido neste momento. Além de liderar a pesquisa, 79% dos seus eleitores dizem estar seguros a respeito da escolha.

Na outra ponta, 39% dos eleitores do tucano Geraldo Alckmin respondem que ainda podem mudar de opinião. Marina Silva tem 31% de seguidores pouco seguros.

Entre os candidatos que acenam mais para a esquerda, Ciro Gomes tem 70% de voto cristalizado. Fernando Haddad, 61%.

Os eleitores mais indefinidos neste momento, de acordo com o DataPoder360, são os jovens de 16 a 24 anos (34% nesse grupo demográfico falam em mudar de ideia até o dia da eleição), quem tem renda de 2 a 5 salários mínimos (32%) e moradores da região Norte (42%).

CENÁRIOS DE 2º TURNO

DataPoder360 testou novamente 4 cenários de possíveis embates de 2º turno. Assim como no final de maio, em todas as simulações Jair Bolsonaro vence com vantagem acima da margem de erro.

CONHEÇA O DATAPODER360

A operação jornalística que comanda o Drive e o portal de notícias Poder360 lançou em abril de 2017 sua divisão própria de pesquisas: o DataPoder360.

As sondagens nacionais são periódicas. O objetivo é estudar temas de interesse político, econômico e social. Tudo com a precisão, seriedade e credibilidade do Poder360.

SAIBA QUAL É A METODOLOGIA

DataPoder360 faz suas pesquisas por meio telefônico a partir de uma base de dados com dezenas de milhões de números fixos e celulares em todas as regiões do país.

A seleção dos números discados é feita de maneira aleatória e automática pelo discador.

O estudo é aplicado por meio de 1 sistema IVR (Interactive Voice Response) no qual os participantes recebem uma ligação com uma gravação e respondem a perguntas por meio do teclado do telefone fixo ou celular.

Só são consideradas as ligações nas quais o entrevistado completa todas as respostas. Entrevistas interrompidas ou incompletas são descartadas para não produzirem distorções na base de dados.

Os levantamentos telefônicos permitem alcançar segmentos da população que dificilmente respondem a pesquisas presenciais. É muito mais fácil atingir pessoas em áreas consideradas de risco ou inseguras –como comunidades carentes em grandes cidades– por meio de uma ligação telefônica do que indo até as residências ou tentando abordar esses cidadãos em pontos de fluxo fora dos seus bairros.

“É importante levar em conta que cada empresa usa uma metodologia diferente em suas pesquisas. O que é relevante é adotar 1 método consistente, que leve em conta a demografia do eleitorado brasileiro e que faça as ponderações corretas. É isso o que fazemos no DataPoder360”, explica o cientista político Rodolfo Costa Pinto.

Qual a diferença entre uma pesquisa realizada por telefone e outra na qual o entrevistado é abordado na rua ou é procurado em sua residência?

Estudos de intenção de voto com entrevistas presenciais têm suas características próprias, assim como as pesquisas telefônicas. Por exemplo, algumas pessoas podem se sentir mais à vontade para declarar seu voto olhando nos olhos do entrevistador. Outras se sentirão mais confortáveis fazendo isso ao telefone. Nenhum método é mais certo ou errado do que o outro. O importante é a consistência da metodologia e a possibilidade de repetir os estudos com frequência, pois a curva dos percentuais de cada candidato é que revela uma possível tendência, e não apenas 1 levantamento isolado e feito a cada 3 ou 4 meses”, explica Costa Pinto.

Para entender mais sobre as características metodológicas das pesquisas telefônicas realizadas pelo DataPoder360, leia estes posts:

O resultado final das pesquisas DataPoder360 é ponderado pelas variáveis de sexo, idade, grau de instrução e região de origem do entrevistado ou entrevistada. A ponderação é 1 procedimento estatístico que visa a compensar eventuais desproporcionalidades entre a amostra e a população pesquisada. O objetivo é que a amostra reflita da maneira mais fiel possível o universo que se pretende retratar no estudo.

DataPoder360 trabalha com uma margem de erro preferencialmente inferior a 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. Esse percentual pode variar em cada levantamento e os leitores são sempre informados detalhadamente sobre qual foi a metodologia utilizada.

Neste ano de 2018, as pesquisas de intenção de voto seguem estritamente todas as determinações legais e as resoluções da Justiça Eleitoral.

Esta rodada do DataPoder360 foi realizada de 25 a 29 de junho de 2018. Foram entrevistadas 5.500 pessoas com 16 anos ou mais em 229 cidades em todas as regiões do país. A margem de erro deste estudo é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O número de registro desta pesquisa na Justiça Eleitoral é BR-05297/2018.

Poder360