João Pessoa 25/05/2018 20:33Hs

Início » Destaque » Denunciado pelo MPF e condenado por crime ambiental, novo secretário de Panta é doador de campanha de Cássio

Denunciado pelo MPF e condenado por crime ambiental, novo secretário de Panta é doador de campanha de Cássio

Novo Secretário de Meio Ambiente de Santa Rita, o engenheiro agrônomo José Ernesto Souto Bezerra foi gerente-executivo do Ibama na Paraíba durante dez anos e superintendente da Sudema durante todo o primeiro mandato de Cássio Cunha Lima à frente do Governo do Estado, comandando o órgão desde 2003 até assumir a Aesa em Março de 2007, já na segunda gestão do tucano, reeleito em 2006.

Suas práticas pouco ortodoxas à frente dos órgãos de proteção ambiental por onde passou são o que podemos ilustrar com a parábola da ‘raposa que cuida do galinheiro’.

Em 2001, quando esteve à frente do Ibama na Paraíba, José Ernesto foi notícia na mídia nacional quando denunciado pela ONG Fórum Permanente em Defesa do Manguezal pela omissão quanto à devastação de uma área equivalente a 42 campos de futebol de vegetação protetora do mangue na Ilha do Eixo, em Bayeux, patrocinada por um grupo de empresários que à época visavam construir viveiros de camarão na área de mangue, sem qualquer interferência ou impedimento do órgão para tal.

Ainda quando exercia o cargo de gerente-executivo do Ibama, em 2002, Ernesto foi condenado um ano e dois meses de prisão, por ter atendido aos interesses de um grande grupo empresarial, a Destilaria Jacuípe, e autorizado a instalação também de viveiros de camarões na área de preservação ambiental do Rio Mamanguape.

Em 2005, o viveiro recebeu autorização do sucessor de Ernesto no Ibama, Erasmo Lucena, cujo funcionamento fora cassado pela presidência nacional do órgão.

A Destilaria Jacuípe, então, apelou para José Ernesto em 2003, já ocupando o cargo de superintende da Sudema, no primeiro ano de gestão do então governador Cássio Cunha Lima.

Julgado pelo TRF5, em 2007, o MPF recorreu da decisão e interpôs recurso pedindo reformulação da sentença, visto que, segundo o próprio MPF havia dolo na decisão de José Ernesto, que tinha plena consciência da irregularidade da autorização dos viveiros na reserva ambiental e mesmo assim autorizou seu funcionamento. Em 2010, o pleno do TRF5 absolveu Ernesto, apesar dos claros indícios e crime ambiental, apresentados pelo MPF.

O viveiro da Jacuípe foi embargado na época em virtude das eventuais irregularidades cometidas nos atos que resultaram no seu funcionamento.

Confira: Ibama é processado por destruição de vegetação protetora de mangue na PB

MPF/PB recorre de condenação do superintendente da Sudema e ex-gerente do Ibama

José Ernesto chega a Santa Rita para ocupar um cargo estratégico na gestão de Emerson Panta.

Recém-criada, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente será a mais importante da atual gestão nos próximos anos, visto que tornou-se obsessão de Panta e dos caciques do seu partido, o PSDB, a venda da água de Santa Rita, dona do lençol freático mais importante da Paraíba, um dos maiores e mais importantes do país.

Banhada de águas minerais, Santa Rita foi posta, no início do ano, na alça de mira do Grupo JBS, dono da Friboi, cuja subsidiária, a Zetta Ambiental, pertencente à Zetta Infraestrutura,  braço da JBS, ganhou o direito de realizar os estudos técnicos para determinar a venda do patrimônio hídrico que pertence à população santarritense. Quem trouxe o tema à discussão em primeira mão foi o News Paraíba.

Clique e confira: É DA FRIBOI! PODE CONFIAR? Empresa interessada na água de Santa Rita pertence ao Grupo JBS, dono da Friboi

Panta volta à carga na venda da água de Santa Rita e veta alteração de lei que o impedia de fechar negócio com o Grupo Friboi

A mesma JBS que doou R$ 600 mil à campanha de Cássio, em 2014, como consta no site do TSE e que foi noticiado pelo News Paraíba em maio deste ano.

 

Leia mais: Friboi: JBS doou mais de R$ 600 mil para campanha de Cássio ao Governo do Estado em 2014

Ainda em abril deste ano, Fernando Reis, ex-presidente da Odebrecht Ambiental, revelou em delação premiada ter repassado R$ 800 mil em caixa 2 para a campanha de Cássio ao governo, em 2014.

Segundo Reis, a ideia era assegurar a parceria público-privada na área de saneamento com o Governo da Paraíba, caso Cássio fosse eleito, o que incluiria diretamente a Cagepa no negócio, vez que a companhia é a única no Estado detentora do direito à exploração de serviços dessa natureza.

De acordo com o delator, Cássio era chamado pelo codinome ‘Trovador’ na planilha do caixa 2 distribuído pelo departamento de propina da Odebrecht.

Assista:

Como se todo esse currículo e emaranhado de informações que convergem em Panta, Cássio e os interesses da população de Santa Rita fosse pouco, José Ernesto ainda é doador de campanha de Cunha Linha, como comprovam os dados veiculados pelo Congresso em Foco, no link abaixo.
Clique e confira a lista de doadores de campanha de Cássio, em 2006:
http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/paraiba-cassio-cunha-lima-psdb/

São dados concretos e factuais que não deixam dúvidas que um plano político ambicioso corta a Paraíba e tem Santa Rita como destino certo na rota dos interesses de um grupo que comandou por muito tempo o Estado e, ao que parece, sente os efeitos e a urgência de quem está há tanto tempo longe da sombra do poder e que quer, está claro, retoma-lo o mais rápido possível, mesmo que para isso o bem estar do santarritense seja só um detalhe no mar de possibilidades que a cidade representa para essa gente: um simples balcão de negócios.Eis a grande realização em um ano de governo Panta, cuja chegada viria transformar Santa Rita.

Germano Costa
para o News Paraíba