João Pessoa 16/07/2018 01:14Hs

Início » Destaque » Desemprego a 13,1% se soma à incerteza política e reforça freio à retomada econômica

Desemprego a 13,1% se soma à incerteza política e reforça freio à retomada econômica

Total de desempregados chega a 13,7 milhões, e dificulta recuperação da atividade. Empresas estão em compasso de espera para conhecer planos dos candidatos à presidência Otros

Nos últimos meses, a economia brasileira tem vivido altos e baixos, em uma constante oscilação dos seus indicadores. Para quem quer ver o copo meio cheio da retomada que começou em 2017, há boas notícias como a queda da taxa de juros ao menor patamar histórico (6,5%), inflação abaixo da meta e aumento há cinco meses da arrecadação do Governo. Os mais pessimistas, no entanto, também encontram motivos para se preocupar com a (falta de) velocidade da recuperação. A taxa de desemprego divulgada nesta sexta, por exemplo, registrou alta e chegou a 13,1% no trimestre concluído em março, como mostram os dados levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sem pessoas consumindo pelo lado da demanda, a atividade econômica, ou seja, a oferta, perde o fôlego no começo deste ano. O desempenho nos serviços, indústria e comércio foram menores que o previsto pelo mercado, colocando em xeque a previsão da maioria dos economistas de crescimento de 3% para 2018.

Segundo o IBGE, a taxa de desocupação no Brasil a 13,1% no trimestre concluído em março é o maior nível desde maio do ano passado. Isso significa que 13,7 milhões de pessoas estão desempregadas no país, adiando compras e mantendo a economia inerte. “O número elevado limita o consumo das famílias”, explica João Mascolo, professor de economia do Insper, para quem a alta do desemprego também tem freado a retomada da atividade econômica no país. Além disso, grande parte das vagas que chegaram a ser criadas são de postos por conta própria ou sem carteira assinada.

José Ronaldo de Castro Souza Júnior, diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) pondera, entretanto, que a taxa de desemprego não caiu ainda porque houve aumento na procura de emprego, com um certo aquecimento do mercado. “Pessoas que já nem buscavam trabalho voltaram a procurar. Isso fez avançar a taxa de desemprego, que ainda é muito alta. Mas paulatinamente está melhorando”.

Para além da falta de consumidores dispostos a gastar, parte dessa desaceleração pode ser atribuída à incerteza grande quanto ao cenário eleitoral deste ano, segundo especialistas ouvidos pelo EL PAÍS. Em outras palavras, por mais que o Governo – e o próprio mercado – se esforce em apontar o fim do ciclo de recessão e projetar crescimento, a falta de uma definição clara de quem serão os candidatos que disputarão à Presidência torna quase impossível prever o futuro. Qual será o plano econômico para o Brasil nos próximos quatro anos? A falta de clareza num cenário eleitoral sui generis, com candidatos pró-mercado com menos de 10% das preferências (caso de Henrique Meirelles, ou Geraldo Alckmin), enquanto o ex-presidente Lula e Jair Bolsonaro lideram as preferências, deixa investidores e empresas em compasso de espera. “Essa eleição é muito binária: ou dá muito certo ou muito errada. E a situação fiscal do país continua sendo um grande problema e o desafio a ser enfrentado pelo próximo presidente”, explica Mascolo.

As projeções dos economistas têm como cenário básico a vitória de um candidato reformista para o próximo mandato. “Vamos precisar de medidas de ajuste bastante difíceis e que precisam de reformas constitucionais. Nosso cenário de crescimento leva em conta que o risco país não terá sobressalto. Mas isso depende muito da qualidade do debate eleitoral e da rota econômica traçada pelos candidatos”, afirma José Ronaldo.

Na avaliação do economista do Ipea, o mar de incerteza política já traz reflexos negativos. “É inegável que qualquer indicador econômico poderia estar melhorando com mais rapidez e intensidade se não tivéssemos esse risco relacionado à política neste momento. O investimento deveria estar crescendo muito mais, a taxas muito elevadas. Mas ainda assim estamos vendo uma recuperação”, explica Júnior. Segundo o instituto, em fevereiro, o Indicador Ipea Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que mede os investimentos, aponta alta de 1,7% em relação a janeiro, na série com ajuste sazonal.

O ritmo mais lento da recuperação também refletiu no Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBCBr) – uma espécie de prévia do Produto Interno Bruto (PIB). Ele ficou praticamente estagnado em fevereiro, com um avanço de 0,09%. 

Sem muita clareza quanto ao futuro político-econômico brasileiro, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu 2,3 pontos em abril em comparação a março. Apesar da queda, o indicador ficou em 56,7 pontos ainda acima da linha divisória dos 50 pontos, que separa a confiança da falta de confiança, segundo pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). “O resultado de abril acende o sinal amarelo e indica revisão das expectativas dos empresários por conta do ritmo de recuperação da economia, que está mais lento do que o previsto no fim do ano passado”, diz o economista da CNI Marcelo Azevedo em nota. De acordo com a pesquisa, o menor otimismo dos empresários é resultado da mudança na percepção em relação às condições atuais e nas expectativas sobre o desempenho dos negócios e da economia nos próximos seis meses.

Em relatório deste mês, o Banco Itaú avaliou que as incertezas cresceram no cenário político e macroeconômico. Por ora, o banco mantém o crescimento de 3% para este ano, mas ressalta que o balanço de riscos está voltado para baixo. “Caso o quadro eleitoral eleve a incerteza quanto à retomada das reformas, a consequente piora das condições financeiras e da confiança de empresários e consumidores deve reduzir o ritmo da atividade econômica já em 2018”, avalia a instituição financeira.

Apesar do compasso de espera e da taxa alta dos desocupados, Mascolo, do Insper, acredita que há uma dose de otimismo no mercado financeiro. Ele avalia que o Ibovespa, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo pode ser visto como um termômetro das expectativas. “Se você olha o índice, ele está estável. Desde a época do impeachment até janeiro deste ano, a bolsa dobrou os pontos, só subiu. A partir de fevereiro ficou estável. Está todo mundo esperando, mas em um patamar alto, não caiu”, explica. Ainda segundo o economista, depois da prisão do ex-presidente Lula, a estimativa dos agentes financeiros de que a chance de um candidato de centro pró-reforma ganhe aumentou. “Já não é tão importante alcançar o crescimento de 3% deste ano e sim conseguir a guinada econômica correta para o próximo mandato”, diz. O que falta agora é saber exatamente quem serão os candidatos. “A dúvida também é o que a Marina pensa. Ela é muito confusa, e o Joaquim Barbosa, que é a novidade da vez“, diz.

Nas últimas semanas, o movimento de desvalorização do real ante o dólar, que chegou a ultrapassar a barreira dos 3,50 reais, foi visto como mais um ingrediente que pode gerar incertezas. Apesar do câmbio depreciado gerar a longo prazo efeitos positivos para o setor de exportações, a curto prazo a volatilidade pode levar uma piora na confiança e expectativas.

A economista Ana Carla Abrão, sócia da consultoria Oliver Wyman, pondera, entretanto, que hoje as questões estruturais são as que mais afetam a recuperação do país. “A retomada hoje não ocorre de forma vigorosa muito pelos problemas estruturais que não estão sendo enfrentados: como o ambiente de negócios, qualidade de ensino, a eficiência do setor público, infraestrutura. A retomada tão frágil está vinculada muito mais ao estrutural que ao ambiente volátil de curto prazo”, explica.

Abrão aponta, por exemplo, um problema estrutural do mercado de crédito. “Não vai ser a queda da Selic que vai significar juros menores e mais empréstimos”, diz explicando porque os consumidores não sentem atualmente a forte queda da taxa de juros da economia. No crédito, o custo para quem toma empréstimo segue alto já que o risco para quem empresta dinheiro no Brasil não caiu. Na prática, o chamado spread bancário subiu, ou seja, aumentou a diferença entre a taxa que você toma o dinheiro e a que você recebe ao aplicá-lo. Em março, por exemplo, os juros médios cobrados pelas instituições financeiras no cheque especial e no cartão de crédito rotativo registraram alta segundo o Banco Central. A taxa média do cheque especial, passou de 324,1%, em fevereiro, para 324,7% ao ano em março. Já o juro médio do cartão de crédito rotativo subiu de 332,4%, em fevereiro, para 334,5% ao ano em março.

El País