João Pessoa 19/08/2018 23:04Hs

Início » Destaque » Em meio à pior crise econômica da sua história, União Europeia ganha prêmio Nobel da Paz

Em meio à pior crise econômica da sua história, União Europeia ganha prêmio Nobel da Paz

A União Europeia recebeu nesta sexta-feira (12) uma injeção de moral no momento em que enfrenta a pior crise econômica de sua história. O projeto de uma Europa unida foi o vencedor do Nobel da Paz de 2012.

As imagens que chegam ultimamente são difíceis de conciliar com um Nobel da Paz. Europa? Em paz? A crise do euro tem feito pipocar protestos por tudo quanto é lugar, mas se a condição política e econômica dessa crise é questionada, a maioria da população dos países que mais sofrem, como Grécia, Portugal e Espanha é majoritariamente a favor da União Europeia.

A memória dos horrores das guerras está fresca na cabeça de muita gente. Ainda existem sobreviventes dessa época e sob esse prisma a União Europeia significou a reconciliação dos dois países que mais se antagonizavam: França e Alemanha.

São eles que começaram tudo e são eles que conduzem a locomotiva desse bloco de 27 países, 500 milhões de pessoas.

“Não foi a Europa que fez a paz, foi a paz que fez a Europa”. A frase de um francês lembra que a prosperidade e o modelo social, que é a inveja de quase o mundo todo, são legados bastante concretos, mas são exatamente eles que estão cada vez mais ameaçados, e por isso a União Europeia nunca esteve tão criticada.

O comitê norueguês quis, com esse Nobel da Paz, aprumar uma instituição cambaleante e lembrar ao mundo que o sucesso do projeto europeu é de interesse de todos.

O Nobel da Paz é um reconhecimento a algo já feito ou às vezes, uma aposta para o futuro. No último caso, teve o Nobel para Barack Obama, que tinha sido eleito presidente dos Estados Unidos há pouco tempo e comandava um país envolvido em duas guerras.

A União Europeia merece o prêmio pela manutenção da paz num continente que vivia em guerra, e pelo estímulo a ideais de democracia e respeito a direitos humanos. Isso valeu para Grécia, Portugal e Espanha, que viveram ditaduras e também para países do leste europeu, que se livraram o comunismo. Nesse aspecto, um Nobel da Paz é justificado. O que teria sido uma enorme surpresa é se a União Europeia tivesse ganho o de economia.

Jornal da Globo