João Pessoa 17/07/2018 03:53Hs

Início » Destaque » Grupo teria recebido R$ 75 mil para executar Ivanildo Viana; mandante segue desconhecido

Grupo teria recebido R$ 75 mil para executar Ivanildo Viana; mandante segue desconhecido

R$ 75 mil. Esse foi o valor pago para executar o radialista Ivanildo Viana, que foi assassinado a tiros, na BR 230, em fevereiro de 2015. A revelação foi feita pela Polícia Civil, durante coletiva de imprensa, na tarde desta terça-feira (29).

Seis pessoas foram presas acusadas de participar do plano de execução e morte do comunicador. Os suspeitos foram detidos durante a operação Sintonia, deflagrada no início da manhã de hoje.

Foram presos Eliomar de Brito Coutinho, Francisco das Chagas Araújo, Orinaldo Vitorino, Valmir Ferreira Costa, Erivaldo Batista e Arnóbio Gomes, ex-policial militar.

O delegado Carlos Othon revelou que o crime foi articulado por Arnóbio pelo valor de R$ 75 mil. Ele teria entrado em contato com Erivaldo e Orinaldo, que estavam presos, e, de dentro da cadeia, contrataram Eliomar e Francisco para executar o crime.

O crime teria acontecido da seguinte forma: quatro suspeitos estavam em um veículo de cor branca e um outro em uma moto vermelha na frente do local de trabalho de Ivanildo, aguardando que ele encerrasse o expediente. Em seguida, os suspeitos passaram a seguir a vítima. Mais na frente, um dos passageiros desceu do veículo e subiu na ‘garupa’ da moto, ele é apontado como o responsável por efetuar os quatro disparos de arma de fogo que atingiram o radialista. Ao chegar no contorno de Varzéa Nova, em Santa Rita, o carona da moto teria efetuado os tiros.

Apesar das prisões, a polícia ainda não identificou o mandante do crime.

“Para nós, a execução do crime, quem mandou mantar, se valeu de alguns desses presos para que encontrasse quem executasse. Quem quer mais prender os mandantes somos nós, seja quem”, disse o superintendente da Polícia Civil, delegado Marcos Paulo.
Grupo teria recebido R$ 75 mil para executar Ivanildo Viana; mandante segue desconhecido

PB Agora