João Pessoa 21/05/2018 17:05Hs

Início » Destaque » Intervenção: homem fura blitz do Exército e é morto a tiros no Rio

Intervenção: homem fura blitz do Exército e é morto a tiros no Rio

Caso ocorreu na noite de sábado (12.mai) -Trata-se da 1ª morte por militar da intervenção

Intervenção federal no Rio de Janeiro está em vigor desde 16 de fevereiro.Divulgação/ Exército Brasileiro 

Um homem foi morto a tiros na noite de sábado (12.mai.2018) por 1 militar do Exército após furar uma blitz na zona norte do Rio de Janeiro. Foi a 1ª morte causada por 1 militar das Forças Armadas desde o início da intervenção federal, em 16 de fevereiro.

Diego Augusto Ferreira, de 25 anos, foi a vítima. De acordo com o CML (Comando Militar do Leste), o homem estava em uma motocicleta e tentou furar 1 posto de bloqueio e controle do Exército. Logo após, foi morto a tiros. O caso ocorreu por volta das 20h30 na rua Salustiano da Silva, em Magalhães Bastos.

O posto de bloqueio é responsável pela segurança da Vila Militar, em Deodoro. O bairro concentra o maior número de quartéis do Exército do Rio.

A morte de Ferreira não foi registrada na Delegacia de Homicídios nem comunicada ao Batalhão da Polícia Militar da região. O caso será investigado por 1 IPM (Inquérito Policial Militar).

Nesta 2ª feira (14.mai.2018), 1 oficial será nomeado para comandar o IPM, que terá 40 dias para ser concluído.

A BLITZ

Os militares que faziam a blitz eram do 15º Regimento de Cavalaria Mecanizada do Exército. Eles foram ouvidos na noite de sábado (14.mai).

Segundo o CML, “todas as providências legais cabíveis estão sendo tomadas nesse momento” e “as circunstâncias estão sendo apuradas”.

O comando afirmou que a vítima tinha passagem pela polícia e não era o dono da motocicleta. O proprietário e testemunhas também já foram ouvidos por militares.

A família acredita que ele não quis parar no bloqueio porque não tinha habilitação.

PROTESTOS

Moradores da comunidade Curral das Éguas, de Magalhães Bastos, protestaram e colocaram fogo em 1 ônibus próximo ao local da blitz após a morte de Diego Augusto.

Poder360