João Pessoa 19/06/2018 01:16Hs

Início » Câmara em foco » Líder de Cartaxo lamenta aprovação de audiência com secretária de Educação

Líder de Cartaxo lamenta aprovação de audiência com secretária de Educação

Marco Antonio“Não foi um recado”. A frase foi dita hoje pelo vereador Marco Antônio, líder do prefeito na Câmara Municipal, ao avaliar o resultado da votação de ontem, quando um requerimento apresentado pelo líder de oposição, Raoni Mendes (PDT) foi aprovado e resultou na convocação da secretária de Educação, Edilma Ferreira, para prestar esclarecimentos a respeito de pagamentos efetuados com os recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).
Marco, que faltou à sessão de ontem, disse que precisou acompanhar a esposa, que se submeteu a exames médicos, e lamentou o resultado: “Infelizmente, os vereadores entenderam que deveriam aprovar aquele requerimento de Raoni Mendes. Eu lamento muito quando uma informação é pedida dessa maneira, quando poderia haver outros caminhos, como uma solicitação de informações à prefeitura. Mas, quero dizer que não é orientação do prefeito blindar secretário algum. O mal-estar é porque foi a primeira vez que a bancada não votou unida, coesa. Mas, acho que tentam fazer um link com as demissões de cargos… mas, não existem vereadores movidos a cargos. É claro que a participação no governo existe e isso é natural. Quem não está satisfeito com seu tamanho de participação tem que conversar. Não acredito em votação para mandar recado”, disse o líder de situação.
Entre os assuntos que a secretária Edilma Ferreira deverá esclarecer está a denúncia de suposta irregularidade em descarte de livros escolares datados de 2013 e enviados para processos de reciclagem pela Prefeitura.
O líder de oposição ainda acrescentou que deve solicitar que a secretária detalhe o uso do Fundeb, que muitas vezes é utilizado de forma imprópria. “É preciso saber sobre a utilização para aquilo que não é previsto. Por exemplo: 60% é destinado a remuneração e 40% ao desenvolvimento de ensino. Mas, apesar de não ser proibido, eles utilizam mais para pagamento profissional e incluem pessoas que não estão prestando serviço na sala de aula”, ressaltou o parlamentar.
ParlamentoPB