João Pessoa 23/05/2018 10:43Hs

Início » Destaque » Mais alfabetizadas e mal pagas, mulheres paraibanas ainda vivem discriminação

Mais alfabetizadas e mal pagas, mulheres paraibanas ainda vivem discriminação

Enquanto na hora de ganhar mal elas são maioria, quando o assunto é ter um bom salário as mulheres ficam bem atrás. Entre os paraibanos que recebem mais de vinte salários, os homens é que são os mais bem pagos.

dia das mulheresApesar dos avanços e das conquistas alcançadas não dá para negar: as mulheres paraibanas ainda são obrigadas a conviver com a discriminação que se reflete claramente no seu dia-a-dia, seja em casa ou no trabalho. Mais alfabetizadas que os homens, elas ainda são mais mal pagas que eles no Estado.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as paraibanas estão cada vez mais escolarizadas. Ao todo são 1.613 milhão de mulheres alfabetizadas contra 1.373 milhão de homens.

Contudo,isso não significa que elas estejam à frente deles quando o assunto é o pagamento de salários. Ainda conforme o PNAD, enquanto 129 mil homens vivem com até meio salário, 354 mil mulheres estão dentro dessa mesma realidade.

Enquanto na hora de ganhar mal elas são maioria, quando o assunto é ter um bom salário as mulheres  ficam bem atrás. Entre os paraibanos que recebem mais de vinte salários, os homens é que são os mais bem pagos. Ao todo, seis mil homens recebem esse valor mensal, já as mulheres que recebem mais de 20 salários são apenas mil.

A coordenadora geral do Centro 8 de Março, Irene Marinheiro, reconheceu que muito já foi feito, mas que outro tanto ainda há para se fazer. “Não podemos negar que as conquistas são imensas. A conquista ao voto, direito a escola, delegacia especializada, Lei Maria da Penha, temos muitas conquistas. Mas os salários ainda são desiguais. Elas ocupam a mesma função, mas têm que mostrar dez vezes mais capacidade para conseguir serem respeitadas”, lamentou.

 

Blog do Gordinho