João Pessoa 17/07/2018 23:30Hs

Início » Destaque » Militar genuinamente liberal só nas histórias de Chile e Argentina

Militar genuinamente liberal só nas histórias de Chile e Argentina

Jair Bolsonaro na sabatina da CNI. Brasilia, 04-07-2018. Foto: Sérgio Lima/Poder 360

O pré-candidato do PSL ao Planalto, Jair Bolsonaro, ao lado do presidente da CNI, Robson Andrade.

Em que pesem os erros crassos que vêm sendo cometidos pelos institutos de opinião – haja vista o Brexit e a vitória de Trump, em 2016 –, em tudo o mais constante, o segundo turno das eleições brasileiras deste ano trará um candidato que representa um eleitorado que não se via manifestar, ao menos publicamente, desde os anos 1960.

Contraintuitivamente, o candidato de extrema-direita adotou um incisivo discurso liberal do ponto de vista econômico. Humilde, sabe-se ignorante no assunto, delegando toda e qualquer resposta ao “nosso economista”, o Rasputin que aceitou assessorá-lo. Ao primeiro “Bom dia, tudo bem?”, recorre ao “nosso economista”. Questiono-me o que seria do país se, por uma fatalidade, o “nosso economista” viesse a faltar. Sucumbiria seu governo por inanição?

A verdade insofismável, entretanto, é apenas uma: a conversão ao liberalismo professada pelo candidato é tão crível quanto a (auto) alegada honestidade de Eduardo Cunha ou o feminismo de que se arvora Donald Trump. Trata-se de questão de fé: crê quem a tem. Mas se você preza minimamente por um projeto econômico liberal, não se iluda, esse não é o seu candidato.

A história brasileira é pródiga em exemplos de presidentes intervencionistas os quais, no afã de conquistarem a complacência do tal mercado, não apenas juraram-se liberais, como, uma vez eleitos, nomearam economistas ortodoxos para o Ministério da Fazenda. Ao primeiro (ou segundo) desentendimento, os técnicos sucumbiram diante dos políticos que passaram a adotar, então, políticas com as quais realmente comungam. O enredo é sempre o mesmo, todos sabemos o fim da história: é o leão que devora o domador, não o contrário.

Eis alguns casos de presidentes intervencionistas/ministros ortodoxos (tempo no cargo):

  • Getúlio Vargas/José Maria Whitaker (12 meses);
  • Getúlio Vargas/Horácio Lafer (5 meses);
  • Juscelino Kubitschek/Lucas Lopes (11 meses);
  • João Goulart/Walter Moreira Salles (9 meses);
  • João Baptista Figueiredo/Mário Henrique Simonsen (5 meses no Ministério do Planejamento, que comandava a economia naquele governo);
  • José Sarney/Francisco Dornelles (5 meses);
  • Dilma Rousseff/Joaquim Levy (11 meses).

(Isso sem contar Mário Henrique Simonsen, que, apesar de ter permanecido na Fazenda durante os 5 anos do mandato de Ernesto Geisel, engoliu a seco o II PND, maior plano desenvolvimentista levado a cabo na segunda metade do século XX.)

Diante do atraso que essa figura representa, trata-se, este, de quase um detalhe.

Se o motivo de o sufragar for, então, a sua suposta moralidade intocada, reveja com cautela ainda maior a sua decisão de voto. Esse indivíduo construiu sua carreira política no hoje Progressistas (sic), ex-Arena-PDS-PPR-PPB-PP, cujo prócer e símbolo máximo sempre foi Paulo Salim Maluf. Se você acha que isso é história, trata-se, atualmente, do partido com maior número de réus na Lava Jato.

Como se não bastasse, o sujeito sonha, como candidato a vice-presidente em sua chapa, com um senador de estatura moral no mínimo questionável, eleito pelo PR, partido capitaneado por Valdemar Costa Neto. Nota-se, assim, sua real e profunda higidez ética.

Por fim, caso pense em oferecer-lhe o voto por conta de seu voluntarismo diante da gravíssima crise de segurança pública que acomete o país, saiba que estará ratificando o mais pueril dos engodos. À exceção de casos específicos, se armar o “cidadão de bem” e endurecer a legislação penal fossem a melhor saída, bastava uma canetada para irmos de Aleppo a Zurique. Para todo problema complexo há sempre uma solução simples e completamente errada, já dizia um pensador norte-americano. Eis um de seus mais perigosos testemunhos.

Não tenho a pretensão de persuadir ninguém, até porque o convencimento dá-se pelo uso da razão; legionários, à esquerda e à direita, raciocinam com o pâncreas. Estou, porém, absolutamente convicto de que: (1) ele não é liberal em termos econômicos, (2) ele não se opõe, sequer minimamente, à corrupção e (3) ele não apresenta as melhores propostas de combate à violência. Ele é, simplesmente, nada: a personificação do niilismo propositivo.

Assim como parcela expressiva da sociedade alemã estava indescritivelmente equivocada na década de 1930, estou certo de que um quinto da população brasileira está sendo ludibriado em 2018, pois não há Síndrome de Estocolmo que explique tamanho auto-flagelo. Apenas o transcorrer histórico, contudo, poderá ratificar esse entendimento; quando acordarmos, poderá ser tarde demais.

“Suicídio acontece, o pessoal pratica”, afirmou o candidato ao comentar o arquirreconhecido assassinato do jornalista Vladimir Herzog. Invocando a Lei de Godwin, acredito que determinados políticos deveriam, de fato, ponderar sobre a possibilidade de adotar essa triste e derradeira prática. Resta tempo suficiente até o dia 7 de outubro para a reflexão. Ainda há esperança.

Por Ivan Salomão do Poder360