João Pessoa 26/05/2018 04:12Hs

Início » Destaque » Ministro palestino morre depois de ser agredido por soldados israelenses

Ministro palestino morre depois de ser agredido por soldados israelenses

Abbas condena morte de Ziad Abu Ein, que participava de protesto contra assentamentos

morte do ministro palestinoZiad Abu Ein se deita no chão depois de uma briga com as forças israelenses em uma manifestação perto de Ramallah 

CISJORDÂNIA — Um ministro palestino morreu pouco depois de ser agredido por soldados israelenses durante um protesto nesta quarta-feira na Cisjordânia ocupada, disseram testemunhas e funcionários do governo palestino. Um manifestante que participava do ato contou ao jornal “Haaretz” que viu um oficial da Polícia de Fronteira bater em Ziad Abu Ein com a coronha de sua arma e chutá-lo.

Abu Ein, responsável por assuntos vinculados a assentamentos israelenses, foi levado às pressas do local por uma ambulância, no vilarejo de Turmusiya, mas morreu a caminho da cidade palestina vizinha de Ramallah. Segundo sua família, ele sofria de diabetes e pressão arterial elevada.

Segundo Mahmoud Aloul, um dos principais membros do movimento Fatah, o ministro estava entre dezenas de manifestantes que participavam de um protesto contra assentamentos judaicos na Cisjordânia. Na tentativa de conter os palestinos, as tropas israelenses dispararam gás lacrimogêneo contra eles e depois bateram em alguns dos participantes com o cabo de suas armas.

O Exército israelense disse que não houve confronto físico direto entre os soldados, e o incidente ainda está sendo investigado. As Forças Armadas devem divulgar mais detalhes sobre as circunstâncias do incidente em breve.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, classificou a morte de Abu Ein de “ato bárbaro que não pode ser tolerado ou aceito” e anunciou três dias de luto nacional.

“Tomaremos as medidas necessárias depois de conhecer os resultados da investigação sobre o caso”, disse Abbas em um comunicado.

Em protesto contra a morte do ministro, palestinos em Ramallah fecharam lojas e atiraram pedras contra soldados israelenses que faziam a guarda de um assentamento fora da cidade, informaram fontes de segurança palestinas.

O Globo