João Pessoa 19/06/2018 08:36Hs

Início » Destaque » Nome de prefeito aparece em lista de concurso para recepcionista da própria prefeitura, na PB

Nome de prefeito aparece em lista de concurso para recepcionista da própria prefeitura, na PB

Procurado pelo G1, Aguifaildo Lira Dantas (PSD) disse que alguém fez a inscrição com os dados dele.

Nome do prefeito de Frei Martinho aparece no edital de convocação para provas objetivas (Foto: Reprodução/Contemax)

O nome prefeito de Frei Martinho, no Curimataú paraibano, está na lista dos candidatos a uma das vagas do concurso público realizado pelo próprio município. O nome de Aguifaildo Lira Dantas (PSD) consta na relação de candidatos que vão fazer as provas, como concorrente a uma vaga para recepcionista, que oferece um salário de R$937. Segundo o Sagres, atualmente o prefeito recebe de R$14 mil por mês, como gestor. O prefeito diz que a inscrição foi feita por outra pessoa que usou os dados dele.

O concurso já está na fase de convocação para as provas objetivas e o nome do prefeito aparece na inscrição de número 1.806. O prefeito foi convocado para fazer a prova neste domingo (25), a partir das 8h. O documento do edital de convocação onde consta o nome do prefeito foi assinado eletronicamente por ele mesmo.

Procurado pelo G1, o prefeito de Frei Martinho, Aguifaildo Lira Dantas, afirmou que inscrição foi feita e paga ‘com má fé’ por desconhecido usando seus dados. “Como sou um homem públicos, meus dados estão disponíveis na internet. Alguém, por maldade, fez minha inscrição e pagou. Quando tomei conhecimento, imediatamente fiz um requerimento pedindo o cancelamento da inscrição e fiz uma Boletim de Ocorrência na Polícia Civil”, disse ele.

Segundo com o edital do concurso público, para o cargo de recepcionista, ao qual o prefeito concorre, estão sendo oferecidas duas vagas, para candidatos de nível fundamental. A carga horária é de 40 horas semanais e o salário oferecido é de R$ 937.

De acordo com o advogado e professor de direito administrativo Alberto Jorge, apesar do caso ser inusitado, não existe uma proibição legal para o ato. Porém, o advogado destaca que o caso abre uma suspeita de afronta ao princípio da moralidade.

“A situação é incomum e poderia ser questionada quanto à possível afronta ao princípio da poralidade podendo desencadear, em tese, numa conduta improba conforme dicção do art. 11 da Lei 8.429/92, sendo necessário contudo, a apuração da existência de má-fé do agente para só aí restar caracterizado ou não a improbidade”