João Pessoa 21/07/2018 13:16Hs

Início » Destaque » ‘Nós tínhamos o direito de ir e vir’, diz Bolsonaro sobre ditadura

‘Nós tínhamos o direito de ir e vir’, diz Bolsonaro sobre ditadura

Participou de programa da RedeTV ‘Não estava lá’, disse sobre Herzog

Deputado Jair Bolsonaro durante entrevista coletiva após almoço com a Frente Parlamentar da Agricultura.Foto: Sérgio Lima/PODER 360

Sobre ter declarado ser favorável à tortura, Bolsonaro afirmou ser “1 tratamento enérgico”

O pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) defendeu que no período ditatorial no Brasil, os cidadãos tinham o direito de ir e vir. O ex-capitão do Exército questionou a definição de “ditadura” e afirmou diz que o Brasil voltará àquela época “positiva”.

“Me define o que é ditadura? A TV Globo nasceu em 1965. Qual órgão de imprensa nasceu em qualquer ditadura do mundo? Nós tínhamos o direito de ir e vir. Podíamos sair do Brasil e voltar”, afirmou no programa Mariana Godoy Entrevista, da Rede TV, nesta 6ª feira (6.jul.2018).

Bolsonaro ainda declarou que os mortos e desaparecidos durante o período da ditadura militar no país “queriam que a ditadura do proletariado que é a mesma que tem em Cuba”.

O pré-candidato também comentou o caso do jornalista Vladimir Herzog. Nesta semana, o Estado brasileiro foi responsabilizado pela Corte IDH (Interamericana de Direitos Humanos) por não investigar, julgar e punir os responsáveis pelo crime contra humanidade do qual foi vítima o jornalista.

Bolsonaro diz que lamenta, mas que não estava lá e “suicídio acontece”. “O pessoal pratica suicídio. Não tínhamos nada pelo que o Herzog fazia que de você dar pancada nele. Ele era um colaborador. Da minha parte, é passado”.

Sobre ter declarado ser favorável à tortura, o pré-candidato afirmou ser “1 tratamento enérgico”“Qual o limite entre energia e tortura? Temos que parar de dar tratamento humano para quem não é ser humano”, disse.

PRIVATIZAÇÕES

Bolsonaro reafirmou a pretensão de realizar privatizações. “Pretendemos privatizar muita coisa. A não ser estatais estratégicas. Eu sou plenamente favorável nem de privatizar, mas simplesmente extinguir”, afirmou. O pré-candidato disse que as privatizações não serão realizadas apenas para combater a corrupção, mas para buscar produtividade e mais transparência.

‘PRETENDO GANHAR NO 1º TURNO’

O pré-candidato também disse não contar com a possibilidade de perder e que pretende ganhar já no 1º turno. “Eu entrei em campo não com uma obsessão, mas muito bem preparado para ganhar. São 3 anos andando pelo Brasil. Eu sou o patinho horroroso dessa história aí. Pretendo ganhar no 1º turno”, afirmou.

Poder360