João Pessoa 19/06/2018 04:57Hs

Início » Destaque » Protestos já tomam capitais e outras cidades do país

Protestos já tomam capitais e outras cidades do país

Em Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro os manifestantes protestam contra o governo da presidente Dilma Rousseff e a corrupção. Apenas minoria pede o impeachment

protesto 1Os protestos desde domingo começam a tomar forma em várias cidades do Brasil. Pelo menos 15.000 pessoas, segundo a Polícia Militar, se reuniram na altura do Posto 5 na praia de Copacabana, na zona sul do Rio, para dar início à passeata contra a presidente Dilma Rousseff. Além da presidente, os manifestantes também protestam contra a corrupção e por melhorias na segurança, saúde e educação. A maior parte das pessoas veste verde e amarelo e algumas levam bandeiras do Brasil. Nas ruas do Rio, segundo relatos, apenas uma minoria pede o impeachment da presidente. De acordo com a GloboNews, há protestos em dezesseis Estados e no Distrito Federal.

Organizadores de movimentos como Revoltados On-Line e Movimento Brasil Livre divergem quanto a possíveis discursos de políticos durante o protesto. No começo da caminhada, representantes dos Revoltados On-Line afirmaram que nenhum político iria falar ao microfone para que a manifestação mantivesse seu caráter apartidário. O protesto conta com dois carros de som, um deles toca uma paródia da música “Pra não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré, hino contra a ditadura militar, usado nos anos de 1970, com os versos “Dilma vai embora, que o Brasil não quer você”. Também foi usada a música “Brasil”, do Cazuza.

Em Brasília, a Esplanada dos Ministérios já está ocupada por manifestações contra a corrupção e contra o governo liderado por Dilma. Os manifestantes estão concentrados em dois pontos no início da Esplanda – em frente a Catedral Metropolitana de Brasília e ao Museu da República. O lado sul do Eixo Monumental já está tomado e a saída dos manifestantes em direção ao Congresso Nacional é aguardada para qualquer momento. A maioria dos presentes veste camisas nas cores da bandeira do Brasil ou com frases contra o governo e a corrupção. Há ainda muitas bandeiras nacionais, cartazes com pedido de impeachment e carros de som. O trânsito já começa a ficar complicado na região central da cidade, com congestionamentos no Eixo Monumental antes da chegada na Esplanda.

O policiamento está bastante reforçado. A maior parte dos manifestantes é composta de jovens e adultos, mas também é possível ver crianças e idosos. Até o momento o clima é de muita tranquilidade. As manifestações foram convocadas por meio de redes sociais por grupos como Vem Pra Rua, Limpa Brasil, Movimento Brasil Contra a Corrupção, Movimento Brasil Livre, Diferença É o Sinal para Mudar o Brasil e Foro de Brasília. A Polícia Militar estima que ao longo do dia cerca de 70.000 pessoas compareçam à manifestação, já os organizadores estimam cerca de 130.000. Mas no momento, a estimativa é de cerca de 30.000 presentes à manifestação.

Belo Horizonte – Mais de 12.000 e pessoas, segundo a Polícia Militar, ocupam a Praça da Liberdade, em Belo Horizonte (MG), para protestar contra o governo federal. Assim, como ocorre em outros protestos de hoje, a maioria está vestida com camisetas verde e amarelas e há também apitos e panelas. Há várias crianças, idosos e famílias em volta do coreto da praça. Há um carro de som pelo qual manifestantes dizem que este domingo é o segundo grito de independência do país. “Não vamos pintar a bandeira do país de vermelho”, gritavam. Há pouco, cantaram o Hino Nacional. Depois, disseram um coro: “1, 2, 3, 4, 5, mil. Ou para a roubalheira ou paramos o Brasil”. Também tocavam as músicas “Vem pra rua”, de O Rappa, e “Que país é esse?”, da Legião Urbana.

Manifestantes participam de ato a favor do impeachment da Presidente Dilma Rousseff, na praça da Liberdade em Belo Horizonte, neste domingo (15)

 

Os manifestantes afirmam que protestos semelhantes estão ocorrendo hoje em países como Austrália e Inglaterra. Entre os gritos de ordem, participantes usaram “1, 2, 3, Dilma no xadrez” e “Não adianta nos reprimir, esse governo vai cair”.

(Veja )