João Pessoa 25/06/2018 06:15Hs

Início » Destaque » Ricardo Marcelo chama PEN de “balcão de negócios”, confirma convite para o PMDB e decide destino partidário até sexta

Ricardo Marcelo chama PEN de “balcão de negócios”, confirma convite para o PMDB e decide destino partidário até sexta

O parlamentar demonstrou estar decepcionado com a direção do Partido Ecológico Nacional (PEN). “O PEN deveria ser melhor administrado nacionalmente. Hoje ele trata-se de um balcão de negócios.Deixo-o, porque tenho um nome e história a zelar”, afirmou.

ricardo_marcelo-PRÊMIOO deputado estadual Ricardo Marcelo (PEN) disse que decide o seu destino partidário até a próxima sexta-feira. Ele confirmou convite para se filiar de diversos partidos.

“Recebi convites do PSDB, PSD, PTB e agora do PMDB que foi formulado pelo presidente da legenda, José Maranhão, e pelo deputado Manoel Junior. Estou avaliando, mas daqui para sexta-feira defino para onde vou”, disse.

O parlamentar demonstrou estar decepcionado com a direção do Partido Ecológico Nacional (PEN). “O PEN deveria ser melhor administrado nacionalmente. Hoje ele trata-se de um balcão de negócios.Deixo-o, porque tenho um nome e história a zelar. Acreditei muito nele, fiz um trabalho excepcional e que se destacou em outras unidades da federação, mas infelizmente ele é administrado por pessoas inescrupulosas”, disse.

Ricardo Marcelo destacou as prioridades na hora de escolher uma legenda. “O partido é aquele que oferece condições para desempenhar as funções e o mandato, e que tenha respeito acima de tudo. A legenda deve ser recíproca. E tendo isso estarei pronto para ingressar em algum partido”.

Ele frisou que permanece na oposição e que deverá deixar a vida pública. “A política ficou uma coisa muito deteriorada. Então é melhor eu cuidar das minhas empresas. Eu posso gerar empregos,e ajudar socialmente. Como mandato não tenho mais aspiração”.

Sobre a votação da MP 242, que não permite o reajuste salarial para servidores do estado, o deputado disse que a chave é o diálogo. “A situação do pais é ruim, e a do estado pior. Mas o funcionário público merece atenção, mesmo que o estado não tenha condições, deve dialogar e dar uma perspectiva futura”.