João Pessoa 24/04/2018 14:29Hs

Início » Destaque » Secretário explica decisão sobre fim do racionamento e detona vereador e prefeito

Secretário explica decisão sobre fim do racionamento e detona vereador e prefeito

O secretário de Recursos Hídricos, Infraestrutura, Ciências e Tecnologia, João Azevedo, em entrevista na tarde dessa quarta-feira (16), comentou a polêmica sobre a decisão do fim do racionamento em Campina Grande e mais 18 cidades da região.

De acordo com o secretário, pouco tempo após as águas do São Francisco terem chegado ao açude Epitácio Pessoa, alguns representantes da classe política de Campina Grande teriam começado a pressionar os órgãos gestores, e exigir o fim do racionamento, mas, segundo ele, o momento certo só seria quando o manancial saísse do volume morto, que é o que deve acontecer no próximo dia 26.

João explicou que a vazão para a água chegar a Monteiro é de 7m³/s, mas apenas a metade disto está entrando no rio Paraíba devido a manutenção de bombas das estações elevatórias. Segundo ele em 20 dias a vazão vai aumentar com o retorno das peças.

Ainda disse que em Boqueirão, a vazão que atualmente está chegando é 2,62m³/s, devido ao sistema de abastecimento de cidades do Cariri, instalado pelo Estado, a evaporação, infiltração e outros fatores.

O secretário também afirmou que, apesar da vazão de água que chega ao Epitácio Pessoa parecer pouca, esta é suficiente para pôr fim ao racionamento, pois a retirada da água passará dos atuais 0,85m³/s, para 1,3m³/s e mesmo assim o aporte hídrico será de 1,07m³/s diário, com a perspectiva do volume aumentar devido ao retorno das bombas.

João Azevedo ainda rebateu as afirmações do vereador Alexandre do Sindicato sobre a transposição passar até seis meses sem bombear água do São Francisco, devido às obras nos açudes de Camalaú e Poções.

– Isso é mentira, falácia. Quem disse isso não conhece o que é uma bomba. Eu poderia simplesmente executar todo o serviço de lá sem interromper um único momento. Basta colocar uma bomba. Eu vi o prefeito de Campina dizer que não era contra o fim do racionamento, mas contra a forma como foi anunciado, pois teria sido feito através de mim. E quem deveria fazer o anúncio? O secretário de Saúde ou de Educação? Fizemos uma reunião técnica na Cagepa, isso são números, contas – disse.

*As informações foram divulgadas na Rádio Correio FM.