João Pessoa 23/05/2018 01:35Hs

Início » Destaque » Sem aprovação da Loa, Câmara de Bayeux deixa de ser casa de Mãe Joana para se tornar casa de Noca, diz Chico Pinheiro.

Sem aprovação da Loa, Câmara de Bayeux deixa de ser casa de Mãe Joana para se tornar casa de Noca, diz Chico Pinheiro.

A Câmara Municipal de Bayeux foi alvo de chacota até no Bom dia Brasil ( Chico Pinheiro de O Globo) quando batizou o parlamento de casa de Noca,

Chacota, gozação foi o que disse o o jornalista de O Globo nos últimos dias quando noticiava o ranking de luta da agressão do deputado Federal do PMDB com o vereador da Câmara de Bayeux em audiência pública, com os últimos acontecimentos na cidade e com a postura dos vereadores referente ao comportamento as ações após a revogação do ex-prefeito afastado pela justiça que chegaram até inocentá-lo por maioria simples por falta de provas em processo que culminou com toda operação realizada pelo GAECO, MP e Polícia Civil, os fatos desabonadores seguem na Câmara Municipal e por sua vez agora é não pela aprovação da LOA que pode prejudicar o executivo e inviabilizar o orçamento de 2018.

Na abertura do programa Bom Dia Brasil ancorado por Chico Pinheiro que vai ao ar das 07:30 horas às 08:50. Disse ao vivo em seu discurso generalizado que “os parlamentos em todo Brasil se tornaram a casa de mãe Joana e na cidade de Bayeux tornou-se à casa de Noca”. È uma vergonha pelo que o país atravessa por uma crise moral e ética, e parlamentares que eram para dar o bom exemplo extinguindo as velhas práticas nocivas beneficiando a sociedade e a gestão pública passam a serem chacoteados envergonhado ainda mais a toda uma população que já foi alvo de destaque da mídia nacional e mundial com a prisão em flagrante de prefeito afastado Berg Lima, que os parlamentares insistem em uma política baixa e rasteira que agora prejudica o andamento da cidade sem a sua aprovação do orçamento de 2018 para gerir a cidade, é incrível como isso ainda possa acontecer em plena democracia.

O parlamento chegou ao ponto que é uma das poucas cidades do Brasil que não aprovaram a Lei Orçamentária Anual para 2018, os vereadores brigam entre si e, que se quer conseguiram o debate da legalidade, com isso, o executivo fica prejudicado por meras confluências políticas ao ponto de prejudicar do andamento da gestão administrativa da cidade. Ao completar 15 dias do mês de Janeiro de 2018 a população ainda pergunta sobre a dúvida dos destinos da cidade que sem o orçamento de 2018, segue os serviços até mesmos os básicos prejudicados e a pergunta que a população indaga quando reinará a paz na cidade de Bayeux e o futuro que depende de alguns vereadores seguem na maestria do quanto pior melhor, chegou a hora da população se mobilizar e resistir a esse parlamento que insiste ao cumprimento de sua função e retornar a casa de Severaque Dionísio o respeito e a moralidade que é alvo de chacota na mídia com atos condenáveis que ninguém aceita mais e a população precisa tomar uma atitude em busca do que é seu que é o básico e que agora prejudicou o povo em sua essência.

Imaginem você cidadão de Bayeux que depende do restaurante popular que é de responsabilidade da gestão municipal que alimenta milhares de pessoas a custo baixo, a unidade de pronto atendimento – UPA, em que as pessoas mais pobres necessitam dos serviços de saúde entre eles o básico, a maternidade que abriga as mães com seus procedimentos de gravidez para seus filhos nascer com saúde plena, a coleta seletiva do lixo que não resiste em um mês de atraso, como na ação social para os carentes, emfim, a administração geral da cidade, haja vista, a briga política que atormenta a cidade e o parlamento tem que se pronunciar pelo procrastinamento da aprovação da LOA que em sua plenitude abrangeu prazos determinados em sua discussão no parlamento com o o executivo a sociedade e o por quê do não de sua aprovação, com a palavra os vereadores da Câmara de Bayeux.

A população de Bayeux necessita da aprovação da Lei Orçamentária Anual-LOA de 2018, para que o executivo inicie o novo ano para executar as prioridades do que foi determinado pela lei de diretrizes que pelo cumprimento dos prazos haveria de ter aprovada em 2017,.

Lamartine do Vale