João Pessoa 28/05/2018 01:12Hs

Início » Destaque » Sem Carne Fraca, agronegócio do Brasil ‘teria andado mais’, diz Maggi

Sem Carne Fraca, agronegócio do Brasil ‘teria andado mais’, diz Maggi

Operação da PF interditou frigoríficos - Superavit em 2017 foi de US$ 81,86 bi

O Mministro da Agricultura, Blairo Maggi, apresentou o balanço do agronegócio em 2017 nesta 3ª (16.jan).Sérgio

balança comercial do agronegócio registrou superavit de US$ 81,86 bilhões, ante os US$ 71,73 bilhões no ano anterior. Apesar do resultado positivo, o ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) afirmou que sem a operação Carne Fraca, o país “teria andado mais, sem interrupções e preocupações no mercado”. Em 2017, carnes representam US$ 15,47 bilhões em venda, atrás apenas do valor da soja, que somou US$ 31,72 bilhões no saldo.

“O governo, como todo, liberado pelo presidente Michel Temer, que deu ao ministério e a mim a responsabilidade de conduzir a situação, trabalhou na mesma direção, com sinceridade, mostrando que o efetivamente era e conseguimos vencer essa etapa extremamente difícil”, disse.

O resultado da balança comercial de 2017 foi o 2º maior saldo da série histórica, inferior apenas ao registrado em 2013, US$ 82,91 bilhões. As exportações brasileiras somaram US$ 96,01 bilhões em 2017. O resultado representa crescimento de 13% em relação a 2016, quando foi registrado US$ 84,93 bi.

Segundo o secretário de Relações Internacionais do Agronegócio, Odilson Luiz Ribeiro e Silva, afirmou que sem o impacto do agronegócio, a balança comercial brasileira teria deficit de US$ 15 bilhões. A balança comercial brasileira registrou superavit de US$ 67 bilhões em 2017.

A supersafra de grãos puxou o resultado, o país exportou 68,15 milhões de toneladas. A recuperação de preços do mercado internacional e o aumento no volume exportado contribuíram para o resultado positivo do saldo comercial. Os produtos mais exportados foram soja (+US$ 6,3 bi), produtos florestais (+US$ 1,3 bi) e carnes (+US$ 1,26 bi).

A Ásia foi o principal comprador de produtos brasileiros em 2017. A China fechou o ano na liberação entre os mercados do agronegócio com participação de 27,7%, ante 24,5%. No ano passado, as exportações ao país somaram US$ 26,58 bilhões, superando 27,6%  em 2016.

Poder360