João Pessoa 19/06/2018 01:18Hs

Início » Destaque » Servidores de Santa Rita em assembleia geral no Sinfesa: “deflagram greve por tempo indeterminado e complica ano letivo”.

Servidores de Santa Rita em assembleia geral no Sinfesa: “deflagram greve por tempo indeterminado e complica ano letivo”.

A greve será comunicada a prefeitura de Santa Rita, e contará com atos púbicos e caminhadas pelas ruas da cidade e MP e Fórum.

sinfesa greve gera -1Sem solução aquém mais recorrer para resolver o problema dos salários dos servidores em atraso no município de Santa Rita, aonde vai completar entre 40, 60 e 90 dias, servidores decidem cruzar os braços e deflagrar greve geral por tempo indeterminado nesta segunda-feira (15) na sede do sindicato, em todos os setores da gestão do prefeito interino Netinho até que regularize a folha de pagamento que pode complicar ano letivo em Sana Rita.

“Decretamos greve geral os recursos existe e o prefeito insistir em dizer que não tem dinheiro nesta quarta-feira (17), haverá ato público na Praça Getúlio Vargas com todos os servidores de todas as categorias, conforme assembleia haverá várias mobilizações pela cidade para chamar a atenção das autoridades que só voltaremos a sal de aula com nosso salário em dia”, disse o professor Feitosa.

Conforme o professor Feitosa afirmou a reportagem do ‘Paraíba Urgente’ que  única saída para o servidor foi deflagrar greve geral paralisando todas as atividades em todos os setores da gestão, “aposentados vão completar 90 dias de atraso de salários, vigilantes, professores, em fim todos os setores foram contaminados pela péssima gestão do atual prefeito”, os servidores tentaram de todas as formas evitar essa paralisação, advertimos, ato público, protestos, reivindicação na porta da prefeitura, Ministério Público e Fórum da Comarca de Santa Rita, todas tentativas sem sucesso, inclusive na última quarta (10) que o prefeito afirmou que não havia data data determinada para pagar o magistério, vamos agora aguardar pela ação impetrada pela assessoria jurídica do sindicato de bloqueio das contas da prefeitura de Santa Rita, avaliou.

De acordo ainda com o professor Feitosa a última reunião no Ministério Público ficou provada pela falta de compromisso do atual gestor, “o descaso  e a falta de interesse das autoridades com a situação dos servidores conforme mostram as transferências do governo Federal, FPM e ICMS para o nosso município”, e por parte da curadoria em nossa visão a falta de incisão de cobrança por parte de prefeito que em nenhuma reunião levou um balancete para confrontar com o nosso e fazer um debate em relação das receitas e despesas que o sindicato equiparou  entre ambas, que nos últimos três anos não existe queda de receita principalmente nos recursos do FUMBED, que adentraram R$ 50 milhões  que foram investidos com folha de pagamento R$ 35 milhões e o restante foi pra aonde?  O prefeito Netinho usa de forma indevida os recursos aonde vamos cobrar do MEC e dos conselho de que forma como foi utilizado o recurso que está atrasando que em nossas contas sobra de forma geral, afirmou o professor.

O professor disse ainda que a maior preocupação da categoria o magistério é com o ano letivo que se continuar dessa forma a população estudantil será prejudicada de forma geral por que decretamos greve geral e não adianta professor querer voltar á sala de aula por que terá que repor novamente e consequentemente impetramos bloqueio das contas que já na quarta-feira (17), será julgada uma ação por uma juíza substituta aonde na oportunidade provocará também o Tribunal de Justiça da Paraíba, para bloquear as contas do município, declarou.

Por fim, o professor Feitosa lamentou a situação dos aposentados e pensionistas do município que vai completar 90 dias sem dinheiro e o prefeito insistir em parcelar o pagamento dividido referente ao mês de Junho e que não há previsão de pagamento aos professores além de  outras categorias, vamos provocar a Corregedoria do Ministério Público da capital para fazermos algumas queixas sobre o comportamento do Ministério público local e como as coisa estão acontecendo na cidade para com a cidade e os servidores, concluiu.sinfesa feitosa

Lamartine do Vale.