João Pessoa 26/05/2018 02:10Hs

Início » Destaque » Stones levam a Cuba repertório de clássicos antes banidos pelo governo

Stones levam a Cuba repertório de clássicos antes banidos pelo governo

stonesOs Rolling Stones sacudiram dezenas de milhares de fãs cubanos e estrangeiros em um show gratuito e a céu aberto em Havana nesta sexta-feira (25), coroando uma semana de interações do ocidente com o país comunista que antes censurou a música da banda britânica. A estimativa inicial de público de 500 mil pessoas não foi confirmada.

Os Stones deram início a sua primeira apresentação em Cuba com o hit “Jumpin’ Jack Flash”, de 1968, gravada em uma época em que fãs cubanos compartilhavam cópias piratas de discos na surdina, arriscando serem banidos para curar “desvios ideológicos” (leia texto ao lado).

Em seguida veio “It’s Only Rock ‘n Roll (But I Like It)”, que pode dizer muito aos fãs cubanos que já enfrentaram discriminação por seu gosto musical.

“Eu amo tanto o Mick Jagger. Sempre sonhei com isso. Não consegui dormir sabendo que ele estaria aqui”, disse Angela Menendez, que limpa o chão de um hospital e chegou ao local do show às 2h da madrugada (horário local).

Os acólitos dos Stones começaram a se reunir com 18 horas de antecedência no complexo esportivo Ciudad Deportiva, em Havana, incluindo fãs de outras cidades do país e estrangeiros que também decidiram prestigiar a apresentação.

SEM VENDEDORES

Os presentes desfilaram diversos modelos de jeans, camisetas e botas com a boca e língua símbolos dos Stones estampadas. Não foram avistados vendedores de lembrancinhas.
Muitos cubanos coloriram a língua do símbolo do quarteto em bandeiras americanas e não inglesas, talvez por não conhecerem a real origem da banda ou talvez em homenagem à histórica visita do presidente Barack Obama à ilha, nesta mesma semana.

Os Stones foram criados em Londres em 1962, três anos após os rebeldes de Fidel Castro destituírem o governo de Fulgencio Batista. Ironicamente, eles passaram a ver bandas como os Stones e os Beatles como perigosamente subversivas, proibindo suas canções na TV e nas rádios.

Mais de meio século depois, tanto os Stones quanto o regime cubano mostram longevidade, ainda na ativa muitos anos após o que a maioria das pessoas julgaria possível.

Uol