João Pessoa 25/06/2018 15:40Hs

Início » Destaque » Temer diz que governo aproveita impopularidade para aprovar reformas

Temer diz que governo aproveita impopularidade para aprovar reformas

Presidente citou conselho de publicitário - Governo é desaprovado por 71% da população

Michel Temer disse que reformas foram possíveis por causa de impopularidade do governo desde o início

O presidente Michel Temer disse nesta 6ª feira (8.dez.2017) que seu governo aproveita a alta impopularidade para aprovar uma agenda de reformas com baixa aprovação na sociedade.

Temer citou uma fala do publicitário Nizan Guanaes na 1ª reunião do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico, o Conselhão. “Popularidade é uma jaula. O senhor tem que puxar isso para o senhor e falar à nação (…) Não temos condições de conviver com essa carga fiscal e essas leis completamente defasadas”, disse, à época.

O presidente declarou que o governo levou adiante o conselho do publicitário. “Por isso nós fizemos o teto dos gastos públicos. Fizemos a modernização trabalhista, que já está gerando muitos empregos. (…) Neste 1 ano e meio [de governo] o que fizemos foi aproveitando a impopularidade”, disse.

Segundo pesquisa do DataPoder360 de novembro, 71% dos entrevistados avaliam o governo negativamente. Desde junho, 1º mês após a divulgação do áudio de Temer com Joesley Batista, a impopularidade do presidente passou dos 70%. A avaliação positiva é de apenas 5%, segundo a pesquisa.

O presidente participou da abertura do 22º Encontro Anual da Indústria Química, em São Paulo. Falou por 22min42seg. Assista:

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Em 1 ambiente repleto de empresários, Temer fez uma defesa da reforma da Previdência. Disse que a proposta “combate privilégios”.

“Começa a se espalhar pelos pares 1 dia desses que o trabalhador privado só vai se aposentar quando tiver 110 anos. Isso pega! Essa história de rede social é 1 horror, pega! Não é verdade. Começa a dizer com uma caveirinha que acabou de se aposentar. Essas inverdades, é claro que machucam aquele que vai entrar no processo eleitoral. O que precisamos é restabelecer a verdade”, disse.

Poder360