João Pessoa 27/05/2018 08:03Hs

Início » Economia » Assembleia de credores da Oi é adiada mais uma vez

Assembleia de credores da Oi é adiada mais uma vez

Reunião ficou para 19 de dezembro 2ª convocação foi mantida em fevereiro - Decisão afasta influência de Tanure

O juiz Fernando Viana, da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, onde corre o processo de recuperação judicial da Oi, decidiu adiar (íntegra), mais uma vez, a assembleia de credores da tele, que estava marcada para 5ª feira (7.dez.2017).

A 1ª convocação da reunião ficou para 19 de dezembro, às 11h. A assembleia é crucial para decidir o futuro da companhia carioca.

Caso seja necessário, a assembleia pode continuar no dia 20 de dezembro. A 2ª convocação foi mantida no  dia 1ª de fevereiro, podendo continuar no dia 2. A empresa enfrenta o processo de recuperação judicial há mais de 1 ano, com dívidas que somam R$ 64,5 bilhões.

O juiz manteve a proibição dos 2 diretores indicados pelo Conselho de Administração da Oi —Helio Costa e João Vicente Ribeiros, de interferir, de qualquer modo, em questões relacionadas ao processo de recuperação judicial.

O magistrado nomeou o presidente Teles Neto, que assumiu o comando da empresa nesta 2ª feira (24.nov.2017),  como responsável por conduzir e concluir as negociações com os credores e fechar o plano de recuperação judicial, que deverá ser entregue, pessoalmente, até o dia 12 de dezembro ao magistrado.

Ainda determinou que o plano que irá à votação  na assembleia não precisará ser aprovado pelo Conselho de Administração,  o que diminui o poder de influência de Nelson Tanure sobre o futuro da tele.  O sócio da companhia, pelo fundo Sociéte Mondiale, é visto com uma figura central no processo de recuperação judicial. O juiz não autorizou a apresentação de planos alternativos por credores importantes.

NEGOCIAÇÃO COM PEQUENOS CREDORES

Para o magistrado, o adiamento sucessivo da assembleia de credores permitiu que a Oi negociasse com o maior número possível de pequenos credores, com créditos de até R$ 50 mil, pela plataforma de acordo. Para ele, o programa  traz benefícios aos envolvidos, considerando que 54% dos credores já mediaram e receberam parte significativa do valor que tem direito.

“Ressalto que, se por um lado, o adiamento da AGC é uma medida negativa do ponto de vista da celeridade e do cumprimento dessa etapa processual. por outro, no caso concreto, exatamente por conta dos adiamentos da Assembleia, foi possível a realização de mais de 30 mil acordos com os credores, dentro do programa de mediação”, escreveu o juiz na decisão, referindo-se aos 30.042 acordos fechados pela empresa carioca.

Poder360