João Pessoa 19/08/2018 19:24Hs

Início » Economia » Compra de ações da Eletrobras teve aumento acima do habitual antes da privatização

Compra de ações da Eletrobras teve aumento acima do habitual antes da privatização

Papéis tiveram valorização de mais de 40% com anúncio do governo, gerando especulações

O anúncio da privatização da Eletrobras não só fez as ações da estatal dispararem (chegaram a 47,32% as ordinárias e 32,19% as preferenciais) como movimentou o pacote de especulações no mercado financeiro. Segundo especialistas no mercado e corretores da bolsa de valores, a compra e o ganho das ações da Eletrobras só não foram maiores devido ao fato de a empresa não liberar grandes lotes normalmente. Mas mesmo com o que estava disponível, houve uma movimentação maior do que a habitual antes do anúncio da privatização.

A pergunta que se faz é se alguém ganhou dinheiro com a sorte de ter comprado ações da Eletrobras pouco antes do anúncio da desestatização, feito no início da noite de segunda-feira (21), ou mesmo após a alta das ações. Os grandes compradores nos dias que antecederam à divulgação da privatização nas ações de ELET ON (ações ordinárias) foram Liquidez, Bradesco e Safra. E nas de ELET PNB (ações preferenciais) foram Morgan Stanley, BTG Pactual e Citi.

A compra de ações da Eletrobras cresceu na quinta-feira (17) e na sexta-feira (18) da semana passada, se comparada aos três primeiros dias daquela semana.

Veja como ficou a movimentação no quadro abaixo:

DIA     ELET3 (ON)  ELET6 (PNB)

14/8    1.366.500      854.800

15/8    1.535.600      850.000

16/8    1.569.000      1.380.600

17/8    2.820.200      1.633.600

18/8    3.749.300      1.254.700

Acionista individual

Além dos citados acima, que compraram ações na semana anterior ao anúncio, há também quem já tivesse ações da empresa e ganhou muito dinheiro. É o caso do dono do banco Clássico, José João Abdalla, conhecido como Juca Abdalla, de 71 anos. Ele é o maior acionista individual da Eletrobras, com 12,53% das ações ordinárias. Especula-se que tenha tido lucro de cerca de R$ 1 bilhão com alta das ações da estatal.

O proprietário do Clássico é um frequentador do Country Club do Rio de Janeiro. Em 1989, entrou em uma disputa judicial envolvendo um terreno de 717 mil metros quadrados desapropriado pelo governo de São Paulo.  Ganhou a causa e embolsou quase R$ 1,7 bilhão. Juca Abdalla é filho do empresário que adquiriu o grupo de cimento Portland, nos anos de 1050.

CVM atenta 

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) informou que “acompanha e analisa as informações e movimentações envolvendo companhias abertas e o mercado bursátil, tomando as medidas cabíveis, sempre que necessário”. Sobre quem ganhou dinheiro com alta das ações, a autarquia disse que “não comenta casos específicos, inclusive para não afetar trabalhos de análise ou apuração que entenda cabíveis”.

Alta de preços

Outra alta que assusta a todos com a privatização da Eletrobras é a do preço da energia elétrica ao consumidor comum (residencial). De acordo com Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a venda da empresa pode sim gerar um aumento de até 16,7% nos preços da tarifa de energia. Segundo dirigentes da agência, a venda a valores de mercado da energia gerada por 14 hidrelétricas antigas da Eletrobras, que operam com preços fixos e mais baixos, pode ser a responsável pelo aumento de preços.

Essa forma é o que o mercado chama de “descotização”, que é um aporte de capital via emissão primária de ações sem que a União acompanhe; com isso, a participação da União seria diluída.

Jornal do Brasil