João Pessoa 24/06/2018 20:34Hs

Início » Economia » Emprego industrial recua 0,1% em janeiro e 4,1% em um ano, diz IBGE

Emprego industrial recua 0,1% em janeiro e 4,1% em um ano, diz IBGE

Setor volta a registrar queda depois de dezembro, com alta de 0,3%, ter interrompido uma sequência de oito meses seguidos de baixa

cai emprego ibge janeiroEm relação a janeiro de 2014, o emprego industrial recuou 4,1%, o 40º resultado negativo consecutivo

O emprego na indústria registrou ligeiro recuo de 0,1% na passagem de dezembro para janeiro, segundo a Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mês anterior, o total de empregados tinha registrado crescimento de 0,3%, quando interrompeu oito meses de taxas negativas consecutivas, período em que acumulou uma perda de 4,3%. Em relação a janeiro de 2014, o emprego industrial recuou 4,1%, o 40º resultado negativo consecutivo nesse tipo de comparação. Nos 12 meses encerrados em janeiro, o total de trabalhadores ocupados na indústria acumula queda de 3,4%.

Em janeiro, o valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria ajustado sazonalmente recuou 0,5% frente a dezembro. “Vale destacar que nesse mês verifica-se a influência positiva do setor extrativo (9,1%), influenciado especialmente pelo pagamento de participação nos lucros e resultados em importante empresa do setor, já que a indústria de transformação (-1,6%) apontou taxa negativa”, informa o IBGE.

Na comparação com janeiro do ano passado, o valor da folha de pagamento real recuou 4,2% em janeiro de 2015, oitava taxa negativa consecutiva neste tipo de comparação. O índice acumulado nos últimos doze meses recuou 1,8%, o resultado negativo mais intenso desde fevereiro de 2010 (-2,3%)

Já o número de horas pagas aos trabalhadores da indústria cresceu 0,2% em janeiro frente ao mês imediatamente anterior, interrompendo oito meses de taxas negativas consecutivas. Na comparação com janeiro de 2014, o número de horas pagas aos trabalhadores da indústria recuou 5,2% em janeiro de 2015, 20ª taxa negativa consecutiva neste tipo de levantamento.

(Da redação)