João Pessoa 23/04/2018 19:05Hs

Início » Economia » Entenda como ações entram e saem da lista do Ibovespa

Entenda como ações entram e saem da lista do Ibovespa

Seleção tem 3 prévias e vale por 4 meses

Nesta 2ª feira (2.abr.2018), a B3 (ex-Bovespa) divulga a 1ª prévia da nova carteira do Ibovespa para o período de maio a agosto de 2018. O anúncio é 1 dos passos seguidos pela B3 para definir as ações que compõem o principal índice da bolsa brasileira. Para definir os papéis que entram e saem, o […]

Nesta 2ª feira (2.abr.2018), a B3 (ex-Bovespa) divulga a 1ª prévia da nova carteira do Ibovespa para o período de maio a agosto de 2018. O anúncio é 1 dos passos seguidos pela B3 para definir as ações que compõem o principal índice da bolsa brasileira.

Para definir os papéis que entram e saem, o mercado segue 1 manual de procedimentos, estabelecido em 2014 pela então BM&F Bovespa.

As carteiras teóricas têm vigência quadrimestral, divididas ao longo do ano pelos períodos de janeiro a abril, maio a agosto e setembro a dezembro.

Cada nova lista passa a valer a partir da primeira 2ª feira do mês inicial da carteira (janeiro, maio ou setembro). No caso de não haver pregão na data estipulada, o início ocorre no dia seguinte.

No fim do período de cada lista, a B3 divulga 3 prévias para as novas composições do índice. A 1ª delas é divulgada no 1º dia útil do mês anterior ao de início da vigência. É o caso da prévia que será divulgada nesta 2ª feira (2.abr).

Já a 2ª prévia é publicada no pregão seguinte ao dia 15 desse mesmo mês, e a última prévia é divulgada no último dia de vigência da carteira anterior. Cada uma das prévias sinaliza ao mercado as ações potenciais para compor o índice. Na 3ª prévia é feita a decisão final de quem entra e quem sai.

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO

O Índice Bovespa é o resultado de uma lista de ativos elaborada de acordo com critérios pré-estabelecidos pela empresa que administra a bolsa de valores. O índice foi criado com o objetivo de sinalizar o desempenho das ações mais negociadas e de maior representatividade no mercado financeiro nacional.

Só passam a compor o Ibovespa ações de companhias listadas na B3 e que se enquadram em 4 critérios de seleção. São eles:

  • presença em pregão de 95% no período de vigência das 3 carteiras anteriores;
  • participação em termos de volume financeiro maior ou igual a 0,1% no mercado a vista, no período de vigência das 3 carteiras anteriores.
  • valor de ação: não ser classificado como “Penny Stock” (ativo cujo valor médio ponderado durante a vigência da carteira anterior seja inferior a R$1,00).
  • índice de negociabilidade: estar entre ações que, no período de vigência das 3 carteiras anteriores, em ordem decrescente de índice de negociabilidade, representem em conjunto 85% do somatório total desses indicadores.

O índice de negociabilidade é calculado considerando fatores como número de negócios firmados para aquela ação, o volume financeiro que o papel possui no mercado e o número de pregões total do período analisado. Leia o cálculo no documento da bolsa de valores.

EXCLUSÃO DE UMA AÇÃO DO ÍNDICE

Os mesmos critérios para a entrada de 1 papel no Ibovespa são levados em consideração no momento de decidir pela saída de 1 ativo da carteira:

  • critérios mínimos: deixarem de atender a 2 dos critérios de inclusão;
  • índice de negociabilidade: estiverem entre os ativos que, em ordem decrescente de IN, estejam classificados acima dos 90% do total no período de vigência das 3 carteiras anteriores;
  • valor da ação: passarem a ser classificados como “Penny Stock”;
  • situação especial: passarem a ser listados em situação especial, os quais serão excluídos ao final de seu 1º dia de negociação nesse enquadramento.

Poder360