João Pessoa 18/08/2018 06:30Hs

Início » Economia » Governo anuncia R$ 12,5 bilhões para custeio antecipado da safra 2018/19

Governo anuncia R$ 12,5 bilhões para custeio antecipado da safra 2018/19

Temer defendeu reforma da Previdência

O presidente da República, Michel Temer (MDB), anunciou que o Banco do Brasil ofertará R$ 12,5 bilhões em pré-custeio para a safra 2018/19. O pronunciamento foi feito nesta 3ª feira (30.jan.2018) na cidade de Rio Verde (GO). Durante o evento, Temer defendeu a reforma da Previdência e disse que com ela o governo estará “quase fechando o ciclo de reformas” necessárias para o país voltar a crescer.

Temer destacou que o montante disponibilizado para produtores para a compra de insumos terá prazo de 14 meses, a juros de entre 7,5% e 8,5% ao ano. Leia a íntegra do discurso do presidente.

“Estamos destinando estes R$ 12 bilhões de credito aos agricultores, com juros mais acessíveis, não apenas para aumentar a produção, mas é um reconhecimento a aquilo que os senhores fizeram pelo nosso país”, disse Temer.

Cerca de 400 pessoas participam do anúncio, entre elas os ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD); Agricultura, Blairo Maggi (PP-MS), das Cidades, Alexandre Baldy (sem partido); da Integração Nacional, Hélder Barbalho (MDB-PA) e o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB).

Ao lembrar dos números da agricultura em 2017, Temer afirmou que este é “o setor que mais produz pelo país”. Citou o crescimento de 17% nas exportações agrícolas, que proporcionou o saldo histórico na balança comercial brasileira, e a produção recorde de 240 milhões de toneladas de grãos em 2017.

REFORMAS

O presidente voltou a defender a reforma da Previdência e afirmou que ela será votada “muito proximamente”. O governo espera que ela seja votada em fevereiro.

“A Previdência Social é algo que está na pauta, que deverá ser votado muito proximamente pela Câmara dos Deputados e depois pelo Senado Federal, fechando, por assim dizer, ou quase fechando, o ciclo de reformas que nós estamos fazendo no Brasil”, afirmou.

Ele disse que graças a “simples reformas”, houve uma redução sensível do deficit público, e com a PEC do Teto, ao longo dos próximos 10 anos que ela estará em vigor, será possível equacionar os gastos públicos. Em 2017, o deficit primário do governo ficou em R$ 124,4 bilhões, abaixo da meta de R$ 159 bilhões.

O presidente também defendeu o desempenho da economia em sua gestão, ao citar dados como inflação baixa e redução na taxa de juros. Para Temer, nas eleições de outubro, o candidato que se opor à agenda de reformas terá de assumir que é “contra” a “moralização das estatais”, os “ridículos 2,95% de inflação” e os “ridículos 7% da taxa Selic”.

Poder360