João Pessoa 24/06/2018 20:45Hs

Início » Economia » Inflação acumula 2,95% em 2017 e fica abaixo do piso da meta pela 1ª vez

Inflação acumula 2,95% em 2017 e fica abaixo do piso da meta pela 1ª vez

Preços de alimentos puxaram taxa Mínimo estabelecido era de 3% BC descumpre meta pela 5ª vez

Inflação oficial de 2017 ficou abaixo do piso da meta pela 1ª vez na história

Após avançar 0,44% na passagem de novembro para dezembro, a inflação oficial fechou 2017 com variação de 2,95%. O resultado abaixo do piso da meta (3%) já era esperado pelo Banco Central e pelo mercado, cujas projeções coletadas pelo Poder360 variavam de 2,75% a 2,89%.

Os dados (íntegra) foram divulgados nesta 4ª feira (10.jan.2018) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Esta é a 1ª vez desde que o sistema de metas de inflação foi estabelecido, em 1999, no governo Fernando Henrique Cardoso, que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) encerrou 1 ano abaixo do mínimo permitido. Excedeu o teto, no entanto, em 200120022003 e 2015.

As metas centrais de inflação e o intervalo de tolerância são fixados pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) com 3 anos de antecedência. O alvo a ser alcançado em 2017 definido pelo conselho era de 4,5%, podendo variar 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Ou seja, o objetivo era que a inflação fechasse o ano entre 3% e 6%.

Responsável por 24,71% do índice, a inflação de alimentos e bebidas acumulou queda de 1,87% em 2017. Algo raro de acontecer, na avaliação do economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito. “De 2011 a 2016, a inflação de alimentos subiu 9% ao ano.

De acordo com o IBGE, o resultado decorreu do recuo de 4,85% no preço dos alimentos consumidos em casa, com destaque para as frutas (-16,52%), que tiveram o maior impacto negativo (-0,19 ponto) no índice geral de 2017.

A forte queda dos preços dos alimentos ao longo de 2017, influenciada principalmente pela supersafra –que significa uma maior oferta de produtos e uma redução de seus preços–, foi determinante para uma inflação abaixo do piso. Para o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, “a queda da inflação dos alimentos é uma boa notícia para a sociedade“.

Perfeito também cita a contenção da demanda, motivada pela desaceleração econômica dos 2 anos de recessão, e a demora do Banco Central em reduzir a taxa básica de juros como os principais fatores que levaram a uma inflação abaixo do piso da meta.

Ilan [Goldfajn] foi cauteloso. Manteve uma inflação baixa por conta de elementos incertos. Poderia ter cortado mais a Selic, mas preferiu uma taxa mais alta do que o necessário”, diz.

CARTA PARA A FAZENDA

decreto nº 3.088, de 21 de junho de 1999, que estabelece o sistema de metas para a inflação como diretriz para a fixação do regime de política monetária, determina que, no caso de descumprimento da meta, o presidente do Banco Central divulgue publicamente as razões para tal. Em carta aberta ao ministro da Fazenda, o chefe da autarquia deve descrever detalhadamente as causas do descumprimento, as providências para assegurar o retorno da inflação aos limites estabelecidos e o prazo para que as providências produzam efeito.

Durante prestação de contas à sociedade, quando apresentou 1 balanço do cenário macroeconômico brasileiro (íntegra) e das atividades do Banco Central no ano, Ilan adiantou o que poderia dizer ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles“O que vamos, provavelmente, dizer: que seguimos as melhores práticas de política monetária em benefício da sociedade brasileira, que convive com inflação e juros menores e com uma recuperação da economia melhor do que se esperava há 1 ano.”

 Poder360