João Pessoa 26/04/2018 00:46Hs

Início » Entretenimento » Gaúcha Samy Sfoggia expõe na Galeria de Artes Irene Medeiros, em CG

Gaúcha Samy Sfoggia expõe na Galeria de Artes Irene Medeiros, em CG

Visitação é gratuita e acontece de terça-feira a sábado das 8h às 12h e de 13h às 21h

A Galeria de Artes Irene Medeiros, localizada no Teatro Municipal Severino
Cabral, em Campina Grande, recebe até o dia 31 de agosto a exposição “Samy’s dreaming about the forest” da gaúcha Samy Sfoggia. A visitação é gratuita e acontece de terça-feira a sábado das 8h às 12h e de 13h às 21h. 

A exposição conta com imagens fotográficas de base química em p&b e suas
perdas resultantes como catalisadoras de um processo artístico no qual se desenvolveu uma série de trabalhos que dialogam com o conceito de latência expresso por Joan Fontcuberta e o de Arte Mestiça, estudado por Icleia Cattani. As obras envolvem processos de miscigenação, onde foram alternadas e justapostas técnicas e matérias, processos e meios que, por vezes, podem ser considerados antagônicos, como por exemplo, os da tecnologia digital e os da manufatura.

Segundo a artista, para a produção das séries de imagens que serão expostas,
desenvolveu-se um processo de trabalho no qual se aliou a teoria à prática diária em
laboratório fotográfico, tanto quanto o ato de costurar e de desenhar sobre as
fotografias.

Samy explica que o início dos trabalhos se deu com a captação de imagens em
filmes preto e branco de 35 mm. Os negativos foram revelados e digitalizados e, em
seguida, as imagens sofreram alterações a partir de um programa editor. Após serem impressas em papel fotográfico, as mesmas passaram por um processo manual no qual se acrescentou manchas com tinta a óleo e com tinta acrílica, riscos com estilete, costuras com linhas, colagem com diferentes tipos de papéis, inserção de alfinetes, pregos e grampos, etc. Por fim, as fotografias foram impressas em tecido por sublimação em grandes dimensões.

“No trabalho desenvolvido, as imagens fotográficas agem como catalisadoras de
um processo de recuperação de perdas: perda do tempo da fotografia, incluindo o tempo de latência da imagem, e de suturas”, disse a artista.

Samy Sfoggia, gaúcha da cidade de Porto Alegre/RS, é licenciada em História
pela FAPA, bacharel em Artes Visuais pela UFRGS e pós-graduada em Arte, Corpo e
Educação pela mesma instituição. Atualmente é responsável pelo laboratório de
fotografia do Instituto de Artes da UFRGS.

Portal Correio