João Pessoa 19/08/2018 15:26Hs

Início » Entretenimento » Nos 450 anos do Rio, relembre as novelas mais cariocas

Nos 450 anos do Rio, relembre as novelas mais cariocas

rio novela

Em quatro anos no Rio de Janeiro, esta paulistana aqui recebe com certa frequência amigos animados em conhecer a maravilha de cidade, que nasceu há 450 anos com vocação para cenário – e que cenário. Foi digno de nota um casal que, depois de passar uns três dias aproveitando a Prainha e o Grumari, duas belezas com tons de Caribe que estão logo ali, a 50 quilômetros do centro, insistiram em passar pelo menos um dia “nas areias de Copacabana”. Até então um tanto fria, minha amiga estampou uma expressão memorável quando pôs os olhos e os pés na areia não tão imaculada quanto aquela das cercanias do Pontal. “Agora, sim!”, suspirou. “Este é o Rio que eu vejo nas novelas!”

O diretor-geral Dennis Carvalho ensaia com os atores Camila Pitanga (Regina) e Thiago Fragoso (Vinícius) na praia do Leme:   com o Rio como uma espécie de personagem, 'Babilônia' chega com a promessa de muitas cenas externas (Divulgação)

Hollywood brasileira, bossa nova, purgatório da beleza e do caos, Hell de Janeiro – seja qual for a visão da cidade que se imagine, pode procurar, ela já terá sido espelhada numa de nossas telenovelas. Houve, obviamente, Tom Jobim, Carmem Miranda, Walt Disney e todos os fotógrafos e cineastas que, encantados com a cidade, trataram de fazê-la uma das mais filmadas do mundo. Mas há de se dar crédito especial às milhares de cenas – contemplativas ou puramente folhetinescas – que ajudaram a consolidar o “jeito carioca de ser”, algo entre o andar elegante das moças de Ipanema e os passinhos dos dançarinos das favelas.

Depois das novelas da Tupi, dos tempos em que não se faziam externas, e de uma onda de tramas nordestinas de grande sucesso da Globo, o Rio se tornou cenário natural das tramas das 9 a partir dos anos 80, logo depois que Dancin’ Days (1978) ambientou a ferveção das discotecas da época na cidade. Ali, o Rio já mereceu grande destaque. Mas foi mesmo com Água Vida (1980), que esmiuçou o estilo carioca em rede nacional por meio de externas deslumbrantes, que a cidade se tornou o cenário preferido da ficção nacional – não por acaso, o Projac, maior conjunto de estúdios da América Latina, é aqui.

Em homenagem aos 450 anos da cidade que já ambientou tantas cenas inesquecíveis da nossa teledramaturgia, QUANTO DRAMA! lembra 7 novelas carioquíssimas:

Em cena emblemática de  'Água Vida', Stella Simpson (Tonia Carreiro) e  Sandra (Glória Pires) armam confusão na praia ao fazer topless (Divulgação)

1. Água Viva (1980)

Escrita por Gilberto Braga com colaboração de Manoel Carlos, os dois autores da nossa teledramaturgia mais reconhecidamente apaixonados pelo Rio, a novela talvez seja a mais carioca de todos os tempos. Por meio da história de dois irmãos rivais – Nelson (Reginaldo Faria) e Miguel (Raul Cortez), que disputavam Lígia (Betty Faria) –, a trama usou o quanto pôde as paisagens, modas e personagens típicos da cidade. Um estilo que, de tanto agradar, é copiado até os dias de hoje. 

Marco Aurélio (Reginaldo Faria) e a "banana" histórica de 'Vale Tudo' (1988) (Reprodução)

2. Vale Tudo (1988)

“Olha o sanduíche natural!”, gritava a batalhadora Raquel (Regina Duarte), heroína que refazia a vida com total dignidade como vendedora ambulante nas areias cariocas, após levar um golpe da filha inescrupulosa, Maria de Fátima (Glória Pires). De maneira brilhante, os autores Gilberto Braga, Aguinaldo Silva e Leonor Bassères resumiram o país por meio do microcosmos do seu maior cartão postal – tanto que, ao dar uma “banana” para o Cristo Redentor no desfecho da trama, o empresário picareta Marco Aurélio (Reginaldo Faria) estava, simbolicamente, afrontando o próprio Brasil. 

3. Mulheres Apaixonadas (2003)

Manoel Carlos, não é segredo para o noveleiro com memória, é um grande cronista carioca disfarçado de novelista paulistano – nascido em São Paulo, ele é, como se sabe, o morador mais célebre do Leblon. Entre tantas novelas ambientadas no bairro onde vive – no melhor estilo Tolstói de falar sobre a própria aldeia –, vale o destaque para Mulheres Apaixonadas. Além de mostrar a beleza da cidade, o autor levou para a ficção as mazelas enfrentadas pelos cariocas, como a violência urbana. A ser lembrada, por exemplo, a sequência em que os personagens Téo (Tony Ramos) e Fernanda (Vanessa Gerbelli) são atingidos por balas perdidas num tiroteio em plena luz do dia. 

4. Senhora do Destino (2004)

Primeira novela urbana e carioca Aguinaldo Silva, pernambucano radicado no Rio, após vários sucessos ambientados em pequenas cidades fictícias nordestinas, Senhora do Destino se dividia entre o charmoso Bairro Peixoto, localizado no coração de Copacabana e a baixada fliuminense, mostrando de uma só vez diversos aspectos da cidade. Vale lembrar ainda que a trama, que começava em 1968, teve uma bela sequência inicial de repressão a militantes políticos em pleno centro do Rio, episódio tirado das memórias do próprio autor. Na confusão, a protagonista Maria do Carmo (Carolina Dieckmann) tem a filha bebê, Lindalva, sequestrada pela vilã Nazaré (Adriana Esteves) e, para piorar, acaba presa. 

Ousda, 'Vidas Opostas', da Record, mostrou a vida dos marginais dos morros da cidade (Divulgação)

5. Vidas Opostas (2006)

Escrita por Marcílio Moraes, a novela da Record inovou ao mostrar uma história de amor em meio a uma guerra do tráfico de drogas num dos morros cariocas, na trilha do sucesso Cidade de Deus (2002). Acelerada, com a fotografia soturna que é típica da ficção policial e marcada pela participação de Marcelo Serrado como o delegado Denis Nogueira e pelo retrato detalhado dos personagens marginais, representou uma ousadia da teledramaturgia da Record, em oposição ao Rio de cartão postal que as novelas globais costumavam estampar até então. 

Caniço (Marcello Melo Jr.) e Berenice (Sharon Menezes) em 'Lado a Lado', que mostrou a formação das favelas inspirada pelo Morro da Providência (Divulgação)

6. Lado a Lado (2012)

A bela história de João Ximenes Braga e Cláudia Lage, vencedora do Emmy Internacional de melhor novela, foi ambientada na virada do século 20, período pouco explorado pelas tramas de época. Por meio de dois casais de origens sociais bem diferentes – os descendentes de ex-escravos Isabel (Camila Pitanga) e Zé Maria (Lázaro Ramos), e os aristocratas Laura (Marjorie Estiano) e Edgar (Tiago Fragoso) –  mostrou a formação do Rio de Janeiro como conhecemos hoje, com o advento da República e a ocupação dos morros pelas favelas após a expulsão dos moradores de cortiços no centro da cidade. 

Suelen (Isis Valverde) e Darkson (José Loreto) em cena de 'Avenida Brasil', que mostrou a zona norte carioca por meio do fictício Divino (Divulgação)

7. Avenida Brasil (2012)

Uma história de vingança universal, que poderia ser ambientada em qualquer grande cidade do mundo, a novela do carioca João Emanuel Carneiro teve um personagem especial: o bairro do Divino, lugar fictício com jeito de Madureira, que deslocou o folhetim das 9 da zona sul para a zona norte, além de repassar o protagonismo dos ricos elegantes da orla para os autênticos e não tão elegantes abastados que moram para além do Túnel Rebouças. 

Veja