João Pessoa 15/07/2018 20:54Hs

Início » Esporte » Botafogo arranca empate no fim, Grêmio cai para 3º e o Flu agradece

Botafogo arranca empate no fim, Grêmio cai para 3º e o Flu agradece

Bruno Mendes marcou nos últimos minutos da partida o gol de empate

Durante quase todo o jogo, era a rodada dos sonhos para o Grêmio. O Fluminense perdia para a Ponte Preta no Rio e o time de Vanderlei Luxemburgo vencia o Botafogo no Olímpico. Porém, em poucos minutos, tudo se inverteu. Os cariocas viraram o jogo e o Tricolor viu Bruno Mendes acertar um chute certeiro, que arrancou o empate para o Botafogo.

Os dois gols da partida saíram do banco de reservas. Léo Gao entrou no lugar de Souza e marcou para o Grêmio em cobrança de falta. Bruno Mendes entrou na segunda etapa e, aos 46 minutos, acertou um lindo chute e venceu o goleiro Marcelo Grohe.

Com o resultado, o Grêmio parou nos 57 pontos e ficou a distantes 11 do líder Fluminense. De quebra, viu o Atlético-MG lhe roubar a segunda posição. Já o Botafogo foi aos 41 pontos, na oitava colocação.

Jogo equilibrado

O jogo nem tinha começado e os mais de 30 mil gremistas presentes já comemoravam. Isto porque, no Rio de Janeiro, a Ponte Preta surpreendia ao abrir o placar diante do Flu. O entusiasmo de vitória combinada com derrota do do líder, porém, diminuiu a cada lance.

Mesmo pressionando desde o início, o time de Vanderlei Luxemburgo não soube fugir da precisa marcação rival. Zé Roberto, em chute de fora da área para fora, Leandro, obrigado Renan a grande defesa, e Werley, cabeceando no travessão, quase abriram o placar até os 12 minutos. A dificuldade, a pressa e a ausência de cinco titulares pesaram.

Especialmente a de Elano, o homem que comanda o meio-campo. Um lance resume: Anderson Pico, ao tentar cobrar falta rapidamente, entregou a bola a Vitor Junior, que descobriu Andrezinho e este fez Marcelo Grohe começar a trabalhar. A grande defesa aconteceria aos 19: Andrezinho cruzou, Fellype Gabriel cabeceou à queima-roupa e só não comemorou o gol pois o goleiro teve a agilidade suficiente de espalmar.

O Botafogo, então, começou a fazer mais do que apenas marcar. Percebeu que o bicho não era tão feio assim. Manteve mais posse de bola e teve em Andrezinho o centralizador das jogadas. Tudo o que passava por ele se transformava em ataque perigoso. Faltou maior poder de ataque para transformar a superioridade momentânea em gol.

Foi então que um incidente iria mudar o panorama da partida. Àquela altura, ninguém tinha como saber, mas a lesão de Souza no tornozelo direito – que parecia um prejuízo irreparável – se transformou em oportunidade. Ele até tentou voltar do intervalo, mas deu lugar a Léo Gago.

Gol salvador

O camisa 8 mal tinha aquecido e Zé Roberto sofreu falta na entrada da área. A pegou e tratou com carinho. Deu um chute tão forte que Renan não teve tempo de alcançá-la: 1 a 0 aos cinco minutos.

A vantagem no placar aliviou o Grêmio. Os movimentos ficaram mais naturais. A torcida pegou junto. E o Botafogo parecia aceitar a derrota. Mas o futebol é feito de… oportunidades. E o time carioca correu atrás da sua. Conseguiu reequilibrar e até voltar a comandar a partida em alguns momentos.

Basta ver as trocas que Luxa fez. Sacou o centroavante André Lima para entrada do volante Vilson. Tirou Marquinhos e apostou em Rondinelly. Melhorou, mas o Fogão quase empatou. Turbinado com as entradas de Seedorf e Elkeson e Bruno Mendes, pressionou. Rafael Marques e Fellype Gabriel assustaram com chutes de fora da área. E de tanto insistir, o gol sair. Bruno dominou na entrada da área e, com categoria, bateu colocado para vencer Marcelo Grohe. O estádio emudeceu e não mais reagiu até o apito final do árbitro.

Globo Esporte