João Pessoa 26/04/2018 22:59Hs

Início » Esporte » Falta de estrutura e craques formados no clube são fantasmas do Flamengo 20 anos após o centenário

Falta de estrutura e craques formados no clube são fantasmas do Flamengo 20 anos após o centenário

ct do flamengoA cada comemoração, o Flamengo se olha no espelho e vê o passado como inspiração. Vinte anos depois de completar seu centenário — a festa de 120 anos começa hoje, apesar da origem do clube datar do dia 17 de novembro —, a mania de grandeza esconde promessas que ficaram pelo caminho. Desde 1995, o clube tenta tirar do papel o sonho de remontar um time como o da geração de 1980, liderado por Zico, e voltar a conquistar o sonhado Mundial de clubes.

A contratação de Romário, então melhor jogador do mundo no Barcelona, foi a tentativa mais desesperada de provar força. Mas a estrutura amadora seguiu nas últimas décadas impedindo o crescimento prometido. O Ninho do Urubu, terreno adquirido na década de 1980 com a venda de Zico, só começou a ser usado em 2010 pelo técnico Vanderlei Luxemburgo , mas segue inacabado.

O lema “Craque, o Flamengo faz em casa” também virou apenas uma grife fora de moda. Prata da casa mais cara vendida pelo clube, o ex-atacante Sávio integrou o chamado “Melhor ataque do mundo” em 1995, antes de ir para o Real Madrid por 20 milhões de dólares. E atesta que, desde o centenário, as coisas mudaram pouco no time onde nasceu.

— Nesses 20 anos, não acho que tenha evoluído muito não. A questão administrativa e o controle da dívida sim, mas se pegar de 20 anos para cá, o Flamengo foi para um CT inacabado, que já era para ser moderno há muitos anos. É o pilar para o maior patrimônio do clube que é a base — lamenta.

Tratado pelos atuais dirigentes como o maior gastador da histórica do clube, Kleber Leite, presidente em 1995, diz que a não conclusão do acordo com o Consórcio Plaza, que traria um Shopping para a Gávea e contrapartidas como estádio, CT e dinheiro, foi um a derrota e causou prejuízo de R$ 60 milhões na Justiça.

— Aí, o Flamengo perdeu o estádio na Gávea, o clube zero quilômetro e o centro de treinamento — defendeu Kleber Leite, aprovando a chegada de Romário.

— Foi o recado de como se deve pensar o Flamengo — resumiu.

Para corrigir a rota, será que vai demorar mais 20 anos?

Extra Online