João Pessoa 21/07/2018 11:57Hs

Início » Esporte » Jô nega torcida contra rival e elege puxeta como o gol mais bonito

Jô nega torcida contra rival e elege puxeta como o gol mais bonito

O centroavante Jô abdicou da chance de ser artilheiro isolado no último domingo, dispensado pela comissão técnica da partida contra o Sport, no domingo, na Ilha do Retiro, mas assegura não ter “secado” Henrique Dourado, seu rival direto na briga, que encarou o Atlético-GO. Apesar de estar contente com a ausência de gols do adversário, o camisa 7 disse que não torceu pelo insucesso do atleta do Fluminense.

“Não, não, fiquei vendo o jogo dos meus companheiros, assisti meu time. Jamais vou secar um companheiro de trabalho”, comentou o jogador, que, segundo ele, acompanhou apenas a derrota dos reservas corintianos por 1 a 0 para os pernambucanos. Primeiro goleador do Brasileiro na história do Timão, ele ainda apontou aquele que ele considerou seu tento mais bonito dentre os 18 marcados.

“O gol mais bonito foi contra o Santos, gol plástico, tive que fazer um malabarismo aí. Eu consegui fazer e, sem dúvida, foi o gol mais bonito do ano”, afirmou Jô, apontando a missão do concorrente direto, que lutou contra o rebaixamento na maior parte do torneio, como mais difícil que a sua.

“Por isso que eu admiro o trabalho do Henrique, não é fácil fazer 18 gols no Brasileiro, um dos artilheiros do Brasil no ano. A equipe em uma zona desconfortável, ele se destacando ali, fazendo seus gols. No meu lado é um pouco mais fácil, joga com mais tranquilidade porque, mesmo que não venha a artilharia, tem um objetivo a conquistar, o título. Joga com mais tranquilidade. Por isso que ele também é merecedor”, avaliou.

Sentado ao lado do corintiano com o prêmio Bola de Prata, tradicional premiação entregue aos melhores do torneio, Dourado também adotou um discurso de exaltação ao concorrente. Para ele, agora ambos estão em um nível que poucos outros nomes atingiram no futebol nacional.

“Pelo fato de que nós tivemos um primeiro semestre muito bom, várias opiniões positivas. Depois problemas com lesões, que dificultaram, e o Brasileiro não tem como prever o resultado. Foi difícil para mim também ser artilheiro. Agradeço aos meus companheiros. Não é fácil. Grandes atacantes, assim como o Jô, já tiveram esse privilégio, agora nós estamos nesse hall”, concluiu Dourado.

Gazeta Esportiva