João Pessoa 26/05/2018 04:03Hs

Início » Esporte » Revoltado, técnico do Tigre xinga Ney Franco: ‘Maricón’

Revoltado, técnico do Tigre xinga Ney Franco: ‘Maricón’

As brigas e confusões na final da Copa Sul-Americana entre São Paulo e Tigre seguem dando o que falar. Nesta sexta, o técnico da equipe argentina, Néstor Gorosito, respondeu às críticas de Ney Franco e xingou o técnico brasileiro.

Em entrevista coletiva após a partida da última quarta, o treinador do Tricolor Paulista criticou duramente os rivais, os chamando de “pipoqueiros” por não terem voltado para jogar o segundo tempo após saírem para o intervalo perdendo por 2 a 0. Os hermanos alegaram falta de segurança após uma briga generalizada nos vestiários com seguranças do São Paulo durante o intervalo. Por conta disso, o árbitro da decisão encerrou a partida e declarou o time do Morumbi campeão.

– O treinador deles é um “maricón” (forma pejorativa para se referir a homossexuais na Argentina). Quando vieram aqui foram os reis da cortesia, mas lá (em São Paulo) diz que só queríamos brigar, que somos covardes. Uma loucura – afirmou Gorosito à rádio argentina “La Red”.

Gorosito ficou também criticou Juvenal Juvêncio. Após o duelo, o presidente do São Paulo provocou os hermanos e disse:

– Ganhamos na bola e fizemos eles correrem. Sentiram que iriam levar a goleada e desistiram do jogo.

– Ouvir as barbaridades que disse o presidente e o treinador me deixa impotente. Issos mancha tanta luta e mérito dos nossos jogadores e dirigentes.

Sergio Massa, dirigente do Tigre e político argentino, avisou que o clube fará protestos contra o São Paulo na AFA (Associação de Futebol Argentino) e Conmebol. Ele também pediu que os responsáveis pela confusão – que segundo ele foi totalmente provocada por seguranças do São Paulo e policiais – sejam presos. Ele também indicou que o clube pode fazer uma manifestação durante o sorteio dos grupos da Libertadores de 2013, na próxima sexta-feira (21), em Assunção.

Apesar de declarar o São Paulo campeão da Copa Sul-Americana em seu site oficial, a Conmebol não descarta punições severas ao clube paulista por causa da confusão ocorrida nos vestiários do Morumbi no intervalo da partida desta quarta-feira – a pena pode ser perda de pontos e, consequentemente, do título. Alegando que a última palavra fica com a direção da Confederação, o vice-presidente Eugenio Figueredo sequer referendou a decisão do árbitro chileno Enrique Osses de encerrar a partida – ele explica que o jogo foi apenas “suspenso”.

O regulamento da Copa Sul-Americana tem uma brecha que pode tirar a taça do São Paulo, mas isso só ocorreria se fosse comprovado que os tricolores iniciaram a confusão generalizada nos vestiários. Sem imagens, e apenas com testemunhos, a entidade não tem provas suficientes para anular a partida.

Para esses casos, a Conmebol usa o regulamento da Taça Libertadores como base para as outras competições continentais. O artigo 15.1 diz que se a partida for suspensa por causa da intervenção de espectadores ou por agressões cometidas contra o árbitro, assistentes ou equipe visitante, o clube local será castigado com a perda da partida em caso de culpa comprovada.

Por outro lado, o artigo 15.4 pode prejudicar o Tigre. Como a Conmebol diz ter garantido a segurança para os jogadores voltarem do intervalo, o clube argentino pode ser acusado de abandono de jogo. Se isso for comprovado, o Tigre perde os pontos da partida, pode levar uma multa pesada e ainda fica eliminado das próximas três competições continentais para as quais se classificar.

No entanto, a Copa Sul-Americana não deve sair das mãos do São Paulo. O presidente da Conmebol, Nicolas Leoz, esteve no Morumbi e até entregou a taça para os tricolores.

Todas essas decisões ficam a cargo do Comitê Executivo da Conmebol, formado por presidente, vice, e um diretor de cada país. O representante do Brasil é Marco Polo Del Nero, vice-presidente da CBF.

O São Paulo não teme qualquer sanção em relação à briga entre os seguranças tricolores e os jogadores do Tigre. Com total convicção de que foram os argentinos que iniciaram a confusão, o clube paulista apenas se preocupa com uma possível punição pela invasão de torcedores no gramado do Morumbi.

Como o jogo acabou antes do previsto, o Tricolor não conseguiu organizar um cordão de seguranças que iria formar 15 minutos antes do término do duelo. Sem esse isolamento, ficou fácil para os torcedores pularem pelo fosso e invadirem o gramado. Os dois clubes têm três dias para relatarem suas versões dos fatos à Conmebol.

Nesta quinta-feira à noite, o site oficial da Confederação Sul-Americana emitiu uma nota oficial lamentando o ocorrido. O texto faz um resumo dos acontecimentos, mas é dúbio: explica que o São Paulo foi declarado campeão depois que o Tigre se recusou a retornar ao gramado. Em seguida, diz que aguarda a investigação dos incidentes e que vai punir “exemplarmente” os responsáveis.

Globoesporte