João Pessoa 16/11/2018

Início » Economia » EUA eleva restrições a investimentos estrangeiros em setores-chave

EUA eleva restrições a investimentos estrangeiros em setores-chave

O presidente Donald Trump tem acusado Pequim de, sistematicamente, roubar tecnologia americana e usou isso como justificativa para impor tarifas a produtos importados da China de 250 bilhões de dólares – AFP

Os Estados Unidos anunciaram nesta quarta-feira (10) um plano para aumentar a vigilância a investimentos estrangeiros em setores-chave de sua economia em uma decisão que é considerada como uma medida contra a China.

O presidente Donald Trump tem acusado Pequim de, sistematicamente, roubar tecnologia americana e usou isso como justificativa para impor tarifas a produtos importados da China de 250 bilhões de dólares.

As novas regras, que passarão a valer em 10 de novembro, atualiza um estatuto de 30 anos atrás que concede ao presidente amplos poderes para bloquear investimentos estrangeiros em indústrias consideradas sensíveis, ou que possam prejudicar a segurança nacional dos Estados Unidos.

A reforma permite ao Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos (CFIUS) analisar cada investimento estrangeiro, não apenas a compra de empresas, em setores-chave.

“Essas regulamentações temporárias apontam para riscos contra tecnologias fundamentais dos Estados Unidos”, assinalou o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, nesta quarta.

Esses setores incluem aeronáutica, telecomunicações, computadores, semicondutores e baterias, disse a jornalistas um funcionário de alto escalão do Tesouro.

Essas indústrias foram escolhidas porque são as expostas à deterioração de sua “superioridade tecnológica” por meio de investimentos estrangeiros, acrescentou.

O funcionário disse que as regras não apontam para nenhum país em particular, mas o CFIUS, um painel intergovernamental supervisionado pelo Tesouro, bloqueou as vendas de empresas americanas para investidores chineses.

Ao anunciar essa reforma em agosto, Trump deixou claro que visaria Pequim e as ameaças à segurança nacional. Disse que a China “não vai mais roubar nossas empresas, especialmente companhias que são bastante complexas”.

O funcionário disse que Washington prepara regulamentações adicionais para proteger a infraestrutura e a inteligência artificial.

De acordo com os últimos dados disponíveis, o CFIUS revisou 179 transações e realizou 79 investigações e apenas uma vez tomou uma decisão negativa.

Istoé